Faça design para pessoas, não para ganhar prêmios

shutterstock_105735086

É comum ouvirmos por aí a respeito de eventos de design, nomes pomposos, muitas vezes em inglês. Técnicas que impressionam, inovadoras! Mas será que é disso que o design se trata?

Design não deveria ser algo para dar status, mas para melhorar a vida das pessoas, ou apenas dar a grupos específicos algo com que eles possam se identificar, algo que possa ser utilizado no dia a dia, seja apenas como inspiração ou com alguma função.

Pensar na experiência do usuário deveria ser a prioridade no design e não colocar o ego de empresários ou a vaidade dos designers a frente, para chamar a atenção.

A experiência do usuário, UX (olha aí as siglas e nomes em inglês aparecendo), é algo a ser valorizado e não optativo. Mudar um projeto todo baseado no usuário para agradar ao chefe da empresa, que simplesmente não gosta de verde, pode ser um terrível erro. Principalmente se os usuários estiverem ligados a ecologia, por exemplo.

“Tempo é dinheiro e resultados devem ser obtidos rapidamente”.

Nem sempre a pressa ajuda nos resultados e muito menos nos lucros. Há casos de pessoas que possuem em casa dois tipos copos. Os “bonitos” feitos por “designers” e que ficam em exposição, mas nunca são usados e os que de fato são utilizados. Que não são necessariamente feios, mas são mais fáceis de lavar, cabem na mão, não ficam com cheiro, em outras palavras, foram feitos para o usuário.

A ideia de status está distorcida ao ponto da publicidade nos fazer comprar coisas que não precisamos e pior, que não foram pensadas para nós, usuários.

“Ter status com design”, mas quem ganha status? Eu por ter um copo multicolorido em forma de taça, difícil de segurar ou o designer que o fez, só pensando em ganhar prêmios por sua criatividade e ousadia?

Conheço designers gráficos que cobram preços astronômicos em seu trabalho e só fazem impressões nas gráficas mais caras, para seus clientes, o que faz o trabalho sair 2 ou até mesmo 3 vezes mais caro, e com a mesma qualidade que teria se tivesse sido feita uma pesquisa em vários locais, de igual qualidade, mas menos conhecidos.

No fim das contas, o cliente termina com um material, que nem sempre tem haver com ele, e ainda enchendo o peito para falar “fiz com o designer X“, achando que isso da a ele algum status.

Quando qualidade e resultados deixaram de ser prioridade, mas endeusar projetistas sim? Para onde foi a ideia de projetar para fazer o mundo melhor? Fazer as pessoas sonharem através de ilustrações e animações ou melhorar a vida de quem precisa de soluções no dia a dia, isso tudo foi deixado de lado?

untitled

Brandjam: o Design Emocional na Humanização das Marcas

No livro Brandjam: O Design Emocional na Humanização das Marcas, Marc Gobé diz que as marcas devem mudar de “comunicações e commodities” para “emoção e inspiração”, e coloca o design como um instrumento de branding que deve ser para as empresas a expressão de uma cultura totalmente nova – uma cultura de inovação e apoio focada no bem-estar humano. Também diz que existem três áreas de oportunidade para o design que têm uma ressonância especial com respeito ao humanismo: [1] emoção, [2] sustentabilidade e [3] design para os outros seis bilhões de pessoas – afinal, nem todo ser humano está socialmente apto a estar nesse mercado consumidor, o que não diminui a atenção que ele merece. Ganhar dinheiro é necessário, mas o design também é uma forma de pensar no mundo que queremos construir.

Pensando nessa mesma linha foi que o designer Timothy Prestero fez no TEDxBoston em 2012 um desabafo sobre a importância do design para ser usado no mundo real, em vez de para ganhar prêmios.

Pense melhor no que você produz e no que consome, é preciso ter mais atenção nisso.

Eu tenho que pensar como um existencialista. Tenho que aceitar que não existem usuários burros, e sim produtos burros. Temos que nos questionar com perguntas difíceis. Estamos projetando para o mundo que nós queremos? Estamos projetando para o mundo que temos? Estamos projetando para o mundo que está chegando, estando prontos ou não para isso? Eu entrei neste negócio de desenhar produtos. Desde então, aprendi que se queremos realmente fazer a diferença no mundo, temos que desenhar resultados. E este é o design que importa.

(Timothy Prestero)

 

Informações UX.Blog e TED

Anúncios
Etiquetado , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: