Arquivo da tag: personagem

Explore a Mansão Wayne de Batman Vs Superman no Google Maps

351057

Quem nunca quis visitar a Mansão Wayne e explorar todos os segredos da Batcaverna?! Agora é possível ter uma visão da residência de Bruce Wayne de Ben Affleck… no Google Maps.

Isso mesmo! A “Residência de Bruce Wayne” de Batman Vs Superman – A Origem da Justiça está localizada em Gotham Orion Township, Michigan, no Google Maps. Os visitantes virtuais podem fazer um passeio em 360 graus pelo Street View, visitando o interior da elegante mansão à beira do lago cerca de 40 milhas ao norte de Detroit. Clicando duas vezes em um dos cantos, ainda é possível descer até a Batcaverna e explorar os dois andares do covil repleto de equipamentos do Homem-Morcego.

Confira neste link, depois conte para a gente o que achou da casa do Wayne de Affleck.

Batman Vs Superman – A Origem da Justiça está em cartaz nos cinemas.

 

Via Adoro Cinema

Anúncios
Etiquetado , , , ,

Conheça Science Kombat, o jogo de luta que usa cientistas famosos como personagens

einstein-hawking

Cada cientista tem um golpe especial baseado nas sua teorias.

A revista Superinteressante publicou hoje o tão esperado Science Kombat, um jogo que usa cientistas conhecidos na história como personagens principais. O game ficou conhecido mundialmente alguns meses antes do seu lançamento oficial quando Diego Sanches, o designer principal, publicou alguns GIFs dos golpes dos cientistas em seu portfólio.

Hoje o jogo foi oficialmente lançado e pode ser jogado neste link. Existem dois modos, o jogo de torneio ou uma luta só. É possível escolher oito cientistas diferentes, como por exemplo Stephen Hawking, Charles Darwin, Albert Einstein, Marie Curie e Isaac Newton, e caso o jogador perca, ele vê uma frase inspiradora de um dos cientistas que não entrou no game.

Cada um dos cientistas possui um golpe especial que é baseado nas suas principais teorias. Os cenários onde os cientistas lutam também têm alguma importância histórica para cada um deles. E o chefão do jogo no modo torneio é ninguém menos que o todo-poderoso, que começa como uma mulher e vai se transformando em outras divindades ao longo da luta. Apenas depois de vencê-lo, Deus fica disponível como personagem.

Veja abaixo alguns gifs dos especiais dos cientistas.

darwin-special-1

hawking-special-1

newton-special-1

A concepção do jogo foi feita por Fred Di Giacomo Rocha e Otavio Cohen Oliveira e ele é considerado pela dupla como uma espécie de sequência do Filosofighters, game publicado pela Superinteressante em 2011 e que segue o mesmo estilo 8-bits, mas usando grandes pensadores da história como personagens. Originalmente o Science Kombat iria usar como tema a briga de “Ciência vs Religião”, mas segundo Fred, em reuniões com o resto do time da Super decidiu-se que esse tema seria polêmico demais.

De acordo com Denis Russo, Diretor de Redação da Superinteressante, o jogo terá versão para Android e iOS em breve.

 

Crédito dos gifs: Diego Sanches/Superinteressante/Editora Abril.
Via B9

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , ,

THE PATH OF CALYDRA A NOVA APOSTA DO MERCADO INDEPENDENTE BRASILEIRO

Calydra-d01

The Path of Calydra é a mais recente aposta da desenvolvedora carioca independente Finalboss no campo de jogos de aventura 3D. Recebendo seu primeiro trailer, o jogo apresenta um mundo vasto para ser explorado.

The Path of Calydra conta a história de Matheus, um garoto que foi transportado para um mundo novo e hostil pela entidade mística que dá nome ao jogo. Calydra quer recuperar seus poderes e precisa da ajuda do herói, que deve ultrapassar diversos obstáculos utilizando habilidades concedidas pelo seu algoz para poder voltar ao seu mundo e à sua família.

O game está sendo construído com a Unreal Engine 4 e mostra um bom uso do motor gráfico, principalmente no que diz respeito aos efeitos de iluminação e sombras. No trailer abaixo, é possível conferir Matheus, o personagem principal, caminhando por alguns dos cenários do jogo, confira:

The Path of Calydra está em estágio inicial de desenvolvimento e ainda não tem previsão de lançamento. O game deve sair para PC.

 

Via Facebook, Arkade

Etiquetado , , , , ,

Hilda, a pin-up esquecida

29

Apesar de ser uma “garota do calendário” publicada quase tantas vezes quanto Marylin Monroe, Hilda é quase desconhecida, mesmo entre os grandes entusiastas da arte Pin-up.

1377266712-0

Hilda é uma criação do ilustrador Duane Bryers e um dos segredo mais bem guardados da arte pin-up. Voluptuosa, um pouco desajeitada, mas nem um pouco tímida com a sua figura, Hilda foi uma pin-up atípica que enfeitou as páginas dos calendários americanos da década de 1950 até o início de 1980, alcançando alguma notoriedade nos anos 1960.

112

“Ela é uma criação da minha cabeça. Eu tive vários modelos ao longo dos anos, mas algumas das melhores pinturas que fiz de Hilda foram sem modelo “, contou Duane à galeria virtual de pin-ups, Toil Girls.

27

A parte mais gostosa da Hilda é que as situações em que ela é colocada parecem um pouco mais reais do que as da pin-ups comuns, que como mágica têm sua saia levantada por um aspirador de pó. Hilda parece se divertir genuinamente – a sensualidade é consequência 😉

30

34

35

82

113

122

131

151

171

181

191

202

212

222

241

251

261

271

311

 

Via Ideafixa

Etiquetado , , , , , , , ,

O Projeto Monstro é a tradução de desenhos infantis por gente grande

O Monster Project é uma coleção feita por um grupo de artistas apaixonado de artistas que compartilham um objetivo comum: ajudar as crianças a reconhecerem o poder da sua própria imaginação e incentivá-los a prosseguir a sua potencial criativo.

6d336030825765.56346b55c3de3

0062e830825765.56346d713cd8e

Arte por AJ Jefferies

 

 

 

 

 

 

 

Para muito mais artes como essas, clique aqui.

 

Via Ideafixa

Etiquetado , , , , , , , ,

The Flying Man: o curta que virou longa

3

Criado por um brasileiro, “The Flying Man” fez barulho na internet e nas redes sociais quando foi lançado em 2013. Agora a ideia ganhou corpo e o roteiro do longa já está quase pronto para ser rodado na gringa.

O curta metragem mostrava as ações um tanto quanto inescrupulosas de um super herói acima da lei e do asfalto das cidades. Atuando do céu, o tal homem voador praticava justiça a seu bel prazer e a produção do brasileiro Marcus Alqueres fisgou o mercado norte-americano de cinema.

Atualmente, o thriller criminal com pouco mais de 9 minutos se desdobrará em um longa que está em fase de redação do roteiro pelas mãos de Chris Collins, escritor que colaborou com séries como “Sons of Anarchy” e “The Wire”, e em seguida deve procurar financiamento para ser rodado.

Habituado ao tema policial, Collins deve usar como cenário o submundo da cidade de Chicago para mostrar as consequências reais da vinda de alguém muito difícil de capturar e adepto do “vigilantismo”. O curta serviu apenas para deixar claro que a ideia funciona. “Arranhou apenas a superfície do que queremos”, disse Marcus Alqueres.

De acordo com o diretor, a proposta passa longe de um universo em que a presença de Super Homens e Homens Aranhas é comum nas metrópoles. “Vamos explorar a ação do estado, a mudança na vida dos bandidos, a reação de autoridades e até fanatismo religioso.”

*Lembre-se de ligar a legenda*

Alqueres fez desenho industrial, mas logo se enveredou pela animação e publicidade. Até que em 2005 foi para o Canadá para trabalhar com efeitos visuais. Em 2010 e 2011, foi trabalhar no estúdio Weta, o maior da Nova Zelândia. Ao longo da carreira de animador contribuiu com filmes como “300”, “Tim Tim” e “Planeta dos Macacos”.

“Trabalhar com efeitos me faz entender que gosto de criar aquilo que não existe e minha ideia é fazer sci-fi/terror dentro de uma realidade palpável como no longa ‘Distrito 9’, por exemplo.”

“The Flying Man” foi feito como projeto quando Alqueres quis se focar em direção. Com pouco cenários e muitos recursos gráficos de pós-produção realizou o filme. O longa deve ser distribuído de modo tradicional por empresas especializadas nos EUA. No entanto, o roteiro, a captação de recursos e produção serão executadas de maneira independente para preservar o controle criativo do filme.

Ainda não há previsão de lançamento da obra, mas Alqueres garante que vários atores já o procuraram querendo protagonizar o filme que irá analisar o comportamento da sociedade ao lidar com um ser poderoso e não terá foco em origens com radiação ou dramas de identidade secreta.

6
photo-6
still1

 

Via Ideafixa

Etiquetado , , , , , , , , , ,

7 filmes que abordam consciência e conservação ambiental

arrietty-ghibli-post-2-copy2

Acho que essa lista é essencial para crianças, mas diz muito sobre adultos. Diz muito sobre o mundo em que vivemos e nossa intensiva campanha em destruí-lo. Narra com histórias lúdicas o obvio: sem natureza, como sobreviver? E temos em doses divertidas e sensíveis a ilustração de quão contraditório e cego pode ser o ser humano, destruindo vida em busca de uma “vida melhor”.

Então antes de adentrar em qualquer assunto,, aconselho que você reserve uma tarde, faça algo gostoso para comer e sente com seu filho para ver algum destes títulos. Mais importante que apresentar lições e conteúdo de qualidade para crianças, dar o exemplo tem sido o melhor dos métodos.

Não basta apenas falar “Preservar o meio ambiente é importante, querido, por favor, veja esse filme”, é necessário inserir o hábito da conservação e restauração do meio ambiente em nossa rotina. Como garantir um futuro melhor para as crianças? Mostrando na prática que a mudança é possível. Sim, podemos transformar nossas práticas em algo positivo.

Temos aqui lindas imagens, com animais, árvores, aventuras e a maior lição de todas: precisamos valorizar a vida, e não só a nossa.

E muito me espanta que num país que possuí a maior área da Floresta Amazônica, tribos intocadas e uma diversidade de fauna e flora de colocar continentes no chão, se produza tão pouco conteúdo infantil abordando tais temas. Alô indústria! Vamos falar de coisa boa, vamos falar de meio ambiente!

Confira a lista.

 

Dr.-Seuss-The-Lorax-post-9-e1429904033298

1. O Lorax: Em Busca da Trúfula Perdida

É o melhor filme infantil para discutir destruição, conservação e restauro do meio ambiente, e ainda tem pitadas geniais de como a indústria se beneficia e distorce nosso senso do que é correto. O filme é baseado no livro do Dr. Seuss, que foi um cartonista e desenhista americano responsável por personagens como O Gato de Cartola, Grinch e Lorax. Procurem livros dele, é fantástico!

No filme temos Ted, um menino com ótimas intenções: conseguir um beijo da garota que gosta, mas ela é uma ativista [yey!] e completamente apaixonada pela história das Trúfulas, árvores que foram extintas antes dos jovens personagens nascerem. Então acompanhamos a busca de Ted pela última Trúfula e o retorno ao passado de Thneedville, a cidade feita de plástico onde as árvores são mantidas com pilhas.

Retornamos na história do filho rejeitado que busca a aprovação da mãe. Um dia ele resolve partir em busca de um futuro melhor – leia-se: impressionar a família – e descobre uma linda floresta de Trúfulas; no primeiro momento ele fica maravilhado, mas já vai logo tirando o machado e cortando uma das lindas árvores para fazer um “lindo” e super prático tecido. Nessa chega Lorax, o Guardião da Floresta, que entra de forma triunfal para colocar nosso Umavez-ildo no lugar. Só que a ambição humana é implacável e isso fica muito evidente durante o filme, que tem músicas fantásticas, uma animação linda e um dos melhores roteiros escritos.

O estúdio que criou O Lorax para os cinemas, Illumination Entertainment, é o mesmo do Meu Malvado Favorito, então corre e vai lá ver.

 

Nausicaa.Of_.The_.Valley.Of_.The_.Wind_.full_.51255-e1429904754175

2. Nausicaä do Vale do Vento

Esse filme é uma das obras primas de Hayao Miyazaki, diretor e roteirista japonês responsável pelo Studio Ghibli, lugar onde nascem os filmes mais lindos do mundo. Se você nunca ouviu falar em nenhum desses dois nomes, corra procurar sobre e veja todos os filmes.

Dias de Fogo é um evento conhecido por ter destruído o ecossistema da Terra e a civilização humana. Os que restaram do grande evento se esforçam em conseguir sobreviver, já que o clima e as condições são áridas e a população teve que recorrer a tecnologia para se manter, isolados em pequenos impérios.

Nausicaä é uma princesa de um pequeno império no Vale do Vento, que além de tentar conter as investidas de outros reinos, também estuda uma floresta chamada Mar da Corrupção, cheia de plantas e insetos gigantes, onde o ar é tóxico e tem devastado todo o planeta com seus danos. Ao contrário do restante da população, Nausicaä se sente fascinada pela floresta e acredita que ela possuí belezas, mesmo depois dos danos terem causado a morte de quase toda a sua família.

É uma história linda sobre o quão nocivo podem ser os danos causados pelos seres humanos na natureza, mas que nem tudo está perdido. E foi a primeira produção do Hayao Miyazaki, já que enquanto a Disney lançava sua Branca de Neve, os japoneses do outro lado do mundo mostravam que meninas podiam ser cientistas e voar!

 

wall-e-screenshot-8

3. WALL-E

É uma animação da Pixar e foi dirigida pelo mesmo diretor de Procurando Nemo.

A história se passa num futuro distante onde a Terra está destruída e soterrada em lixo. Tudo isso aconteceu por nosso cultura consumista, que engoliu, processou e vomitou até que o planeta estivesse sem recursos naturais e com tranqueiras empilhadas sobre tudo; e claro que isso aconteceu com a ajuda de uma megacorporação, a Buy-n-Large , que também foi a responsável pela retirada da população humana da Terra até ela se “restabelecer”. Nossa sociedade começou a viver em naves no espaço, sedentários, se alimentando de porcarias, até que se viram impossibilitados de caminhar. É chocante ver em uma animação nossa sociedade espelhada de forma tão honesta. Realmente chega a causar angústia, pois parece [ou será] que esse é o nosso futuro.

Nós começamos a acompanhar a rotina de WALL-E, um robô coletor de lixo que vive na Terra, sozinho. Até que um dia chega a EVA, outro robô, mas nesse caso ela foi enviada para buscar vida na Terra… e calha que WALL-E tem surpresas. E assim começa a aventura, com nosso robô correndo atrás da super high tech.

É minha produção preferida da Pixar, não só por colocar todas as métaforas de forma genial, mas porque eles conseguiram criar um personagem que não fala nada além do próprio nome e “EVA” e mesmo assim é expressivo e carismático. WALL-E é o aluno nerd do fim da classe que você quer abraçar – e de quebra ele ajuda a salvar a humanidade.

 

208872-e1429905509945

4. Minúsculos [Minuscule – La vallée des fourmis perdues]

Essa linda e bem escrita produção francesa não fala diretamente sobre o impacto humano no meio ambiente, mas conta a história de uma guerra entre formigas com riqueza bélica, tática e de humor quando uma cesta de piquenique é abandonada.

Um casal saí correndo quando a mulher entra em trabalho de parto e deixa toda a comida do piquenique no local, gerando a trama dessa animação que dura poucos minutos, não tem nenhum diálogo, mas deixa nosso coração cheio de ensinamentos de trabalho em equipe, generosidade e como decisões humanas podem impactar na vida de outros seres, mesmo sendo “apenas” formigas.

Nossa Joaninha-macho que toma partido na guerra é acolhida de forma muito divertida pelo grupo e se vê engolida por forças mais potentes que seus curtos braços. É um daqueles filmes para se assistir junto com a família e além de se deliciar com uma arte realmente bem produzida, ver uma versão dos filmes com formigas muito bem feita e didática quando discutida.

 

00876m2tssnapshot033920_original-e1429905671758

5. O Mundo dos Pequeninos

Esse filme é do diretor Hiromasa Yonebayashi, que fez uma linda adaptação do livro The Borrowers, da escritora Mary Norton, que publicou a história dessas pequenas pessoas em 1952.

O filme conta a história de Arrietty e sua família, pequenos seres que parecem pessoas normais, mas com 10cm de altura, e que vivem no assoalho de uma casa em Tóquio.  Com a chegada de Sho, um garoto doente, uma amizade um tanto inusitada nasce entre eles. Durante toda a história a sensação é que os Barrows são seres da natureza, talvez uma releitura das “fadas”, mas que se viram forçados a habitar pequenos lugares a medida que a civilização domesticava animais e se espalhavam em locais intocados. Mas infelizmente eles não estão seguros nem dentro da própria casa, já que quando um dos adultos descobrem que a casa pode estar sendo habitado pelos “pequenos intrusos” começa uma guerra em busca de extinguir Arrietty e sua família.

É um filme bonito, com uma histórica tocante e com uma narrativa que foge da fórmula americana. Deixa ainda mais a sensação de que os intrusos são os seres humanos, já que forçam todos os seres a se habituarem com seus gostos e sonhos, e nunca o contrário, aceitando a ordem natural da natureza.

 

MSDONUP FE003

6. Era uma Vez na Floresta

Apesar de sempre ver Ferngully em vários lugares como filme que discute conservação do meio ambiente, esta obra incrível dirigida por Charles Grosvenor nunca está em lado algum.

Abgail, Edgar e Russel vivem felizes numa floresta, tal como um rato, uma toupeira e um ouriço devem viver. Eles são amigos e seguem sua rotina como sempre, até que um dia um homem chega na floresta espalhando gases tóxicos e adoece Michelle, amigas deles. Então começa a busca do três amigos, junto com o Tio Cornelius, de uma forma de salvar Michelle e a floresta.

É um daqueles filmes antigos, de 93, que contam fábulas de uma forma simples e divertida.

 

the-great-japanese-epic-from-studio-ghibli-princess-mononoke-1997-princess-mononoke-e1429906224482

7. Princesa Mononoke

Meu favorito na lista, mais um do Hayao Miyazaki! E esse é meu filme preferido dele, porque temos um japão onde os seres humanos convivem com deuses da natureza e suas forças que trazem destruição para florescer a vida.

Somos apresentados ao Príncipe Ashitaka, que após matar o terrível deus-Javali se vê amaldiçoado pelo mesmo. Angustiado, ele foge da mesma aldeia que lutou tanto para defender e nesse longo caminho acaba por conhecer San, a Princesa Mononoke.

Numa aldeia está sendo travada uma luta e do lado dos deuses-animais está San, que foi adotada e criada por uma tribo de deuses-lobos. Seu ódio pelos seres humanos que estão destruindo a natureza é enorme e ela com o tempo foi se esquecendo do seu lado humano, até o seu encontro com Ashitaka.

E nisso a história se desenvolve, entre uma guerra entre a civilização que quer se estabelecer e a natureza, e seus protetores, que lutam incansavelmente contra a destruição.

 

Foi colocado aqui os filmes que não são abordados com frequência, mas recomendamos também:
Irmão Urso, Vida de Inseto, Reino Escondido, Tainá – Uma Aventura da Amazônia, Mogli – O Menino Lobo, Procurando Nemo, Rio [1 e 2] e A Fuga das Galinhas.

 

via Não Pule da Janela

Etiquetado , , , , , , , , , ,

Assista La Linea, Animações Italianas Populares da década de 70, desenhadas com uma única linha

Simplicidade não é o objetivo. É o subproduto de uma boa idéia e expectativas modestas.

Assim falou o designer Paul Rand, um homem que sabia algo sobre fazer passar uma ideia, tendo criado logos icônicos para marcas muito conhecidas como ABC, IBM e UPS.

Um exemplo da observação de Rand, La Linea, aka Mr. Line, um personagem tão querido e enganosamente simples, desenhado com uma única linha contínua, começou como um figurante para uma companhia de panelas italiana. Não importa o que ele consegue fazer em dois ou três minutos, ele determinou que ele eventualmente vai intrometer-se contra as limitações da sua realidade linear. Sua vibração, a resposta apoplética provou um sucesso com os telespectadores em apenas alguns episódios, então a conexão com as panelas foi cortada. Mr. Line passou a se tornar uma estrela global em seu próprio direito, aparecendo em 90 animações curtas ao longo de sua história de 15 anos, começando em 1971. Encontre muitos dos episódios no Youtube aqui.

A fórmula soa bastante simples. O animador Osvaldo Cavandoli inicia cada episódio, traçando uma linha horizontal em lápis de cera branca. A linha assume forma humana. Mr. Line é um cara atentado, do tipo que se entrega a tudo o que é que ele está fazendo, sendo admirando as meninas na praia, tocando piano clássico ou patinação no gelo.

A locução do artista Carlo Bonomi contribui em grande parte com o charme de Mr. Line. Com um sotaque italiano, mas com sua trilha vocal 90% de jargão improvisada, com um punhado de dialetos. Veja-o canalizar o personagem na cabine de gravação, abaixo.

Veja aqui Cavandoli e Mr. Line batendo um papo.

 

via Open Culture

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , ,

A história dos jogos mostrada através da evolução das tecnologias gráficas

Untitled-11-1000x550

A parte visual dos videogames, é realmente uma das formas que mais atraem o jogador para jogar, embora muitas vezes se defende aquele dizer que o gráfico dos jogos não é a parte mais importante de um jogo (e de fato não é), mas dizer que um jogo com um visual legal geralmente não é bom, é complicado :P

E falando nos gráficos, Stuart Brown, do canal de youtube Ahoy, contou a evolução das historias dos jogos eletrônicos através dos gráficos existentes nele, falando de técnicas e coisas do tipo, numa série chamada a Brief History of Graphics (http://goo.gl/DCPUxM playlist dos vídeos para quem se interessar)

Esse documentário, tem 46 minutos de duração, dividido em 5 partes, e fala sobre os aspectos visuais mais importante dos games, desde os pixels, passando pelos clássicos sprites até o atual uso de polígonos 3d…..

A única desvantagem desses vídeos, é que eles são em inglês, e não possuem legendas para isso(ainda assim espero), mas quem tiver uma base boa de inglês vai entender bem…. ou pelo menos quem não entender, pode admirar e apreciar a evolução visual dos jogos!

 

Via Design Culture, por 

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

Hunger, o novo game da Tarsier Studios

Hunger_02

É isso mesmo, um novo jogo da Tarsier Studios. Se você não reconhece pelo nome, a Tarsier é a responsável pelo jogo Little Big Planet, que é um grande sucesso e se você ainda não jogou, saiba que vale a pena jogar.

A arte desenvolvida pela Tarsier em seus jogos é de impressionar. A qualidade, a riqueza de detalhes, a preocupação com o design das fases e personagens e até mesmo a física realista nos jogos são de tirar o chapéu, fazendo de seus games algo muito mais interessante do que os jogos que estamos acostumados por aí. Olha só alguns desenhos do concept art do jogo.

HungerConceptArt1

HungerConceptArt3

HungerConceptArt41

Hungerheader2

O novo jogo se chama Hunger e terá uma pegada diferente do Little Big Planet, que se assemelha a um teatro infantil. Hunger será mais mórbido, com suspense. Se você já jogou Limbo, vai gostar do que vem por aí com Hunger. Tal qual em Limbo, temos um protagonista frágil que contrasta com os cenários ao estilo Resident Evil. A pequena Six, que em sua capa amarela precisa escapar de um bizarro resort submarino chamado “The Maw” e de seus grotescos habitantes (Cadê a mãe dessa criança que não ta vendo isso?).

Hunger tem uma jogabilidade que vai deixar você alerta o tempo todo com suspense e exploração. Uma coisa interessante no jogo, é que ele te põe na pele de uma pequena menina. Isso é muito legal, cada vez mais o esteriótipo do herói forte, branco e boladão ou da gostosa de cintura fina e com habilidades de super herói está sendo quebrado no jogos, filmes, séries, desenhos, o que nos ajuda a sermos mais confiantes e aceitar a diversidade. Ta aí a série A Lenda de Korra para não me deixar mentir, onde a maioria dos heróis são mulheres e diversidades como deficiências e sexualidade são tratadas de forma tão natural que a gente nem nota. Claro, nem tudo segue essa linha, Mario ta aí anos não é verdade?

Os cenários são no mínimo pertubadores e nos deixam tensos e curiosos só de vermos.

Hunger_01

Hunger_03

Hunger_04

Hunger_05

Hunger_06

Hunger_07

Hunger_08

Hunger será lançado inicialmente para Playstation 4, ainda sem data confirmada. O jogo foi patrocinado pela Nordic Games Program, que também ajudou o jogo Limbo a ganhar vida. Este é um programa de incentivo a desenvolvedroes de games em países nórdicos como Dinamarca, Suécia e Islândia, entre outros.

Ficou com vontade de jogar?

 

Informações e imagens: Tarsier Studios, Arkade

Etiquetado , , , , , , ,