Arquivo da tag: Design

O jeito incrível que os designers de games animavam os primeiros cenários coloridos

colorcycle_feat-600x3222x

No começo da indústria de games, o processamento e a memória das máquinas era muito, MUITO, limitada.

Os primeiros games tinham 16 cores para trabalharem. Só. Era o EGA, da IBM, que já era considerado um avanço tremendo.

ega_games

Aí a galera conseguiu expandir para 256 cores com o VGA (usado em coisas até hoje!) e os cenários começaram a parecer BEM bonitos.

vga_game

Mas ainda faltava alguma coisa… como deixar os cenários mais reais ainda animando eles, só que com todas as limitações computacionais da época?

A solução foi o color cycling, que uns também chamavam de pallete shifting.

Como só haviam 256 cores disponíveis para se criar uma paleta de cores, os programadores descobriram que era possível, no entanto, alterar a própria paleta.

Como assim? Cada paleta durava um ciclo, a paleta seguinte substituía as cores que seriam alteradas na imagem seguinte, e a sequência disso causava a impressão de animação.

Tudo isso gera esse efeito BEM legal e muito convincente sem qualquer aumento significativo do tamanho do arquivo. Afinal de contas, ainda é apenas uma imagem.

Os exemplos desse site são incríveis e mostram todo o potencial dessa prática (aliás, mostram até mudança de iluminação de acordo com a hora do dia nas mesmas paisagens, coisa fina e linda). Eles disponibilizam até o tutorial para fazer a mesma coisa usando html5.

colorcycling_gif1

colorcycling_gif2

Nessa palestra incrível no GDC 2016, o designer de games das antigas Mark Ferrari conta como eles começaram a trabalhar com gráficos EGA, fizeram o pulo do gato pra animar com o color cycling e até mesmo passaram a economizar espaço nos games ao usar essa técnica para até mesmo mudar cenários inteiros!

Sim, é BASTANTE tempo, mas o conteúdo é riquíssimo pra quem se interessa pela história dos videogames (e acho que computação em geral).

 

Via Update Or Die

Anúncios
Etiquetado , , , , , , , , , , ,

Novo site

2

Só para avisar, estou com um novo website 🙂

Aqui no blog você confere coisas que eu faço, coisas que me inspiram, ou coisas legais. Lá no site é possível ver meus trabalhos, confere lá.

 

 

Etiquetado , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Google inova mais uma vez e produz uma animação 360º

O Google Spotlight, estúdio cinematográfico criado e dedicado especialmente para Smartphones lançou a animação Pearl, que conta a história de pai e filha que viajam em busca de seus sonhos levando amor e alegria através da música em lugares improváveis.

A experiência de imersão é muito interessante, já que você pode “olhar” para todos os lados e ver o que tem em volta, captando momentos da viagem. Simplesmente fantástico. É como se fizéssemos parte da viagem, já que a “câmera” fica o tempo todo dentro do carro. Assim, você pode ver várias vezes e captar momentos diferentes. Já sabemos que é possível fazer vídeos 360º, mas animação (roteirizada) é a primeira!

Quem assinou a animação foi Patrick Osborne, animador do curta da Disney, Feast. Também participaram do desenvolvimento colaboradores dos estúdios Pixar e Dreamworks. Com tanta gente boa, o resultado não poderia ser ruim.

Se pensarmos no que está sendo feito hoje, com vídeos 360º e outras tecnologias como a realidade aumentada, as possibilidades são inimagináveis. Eu acredito que veremos filmes, séries, novelas e até transmissões ao vivo 360º. A cada dia a tecnologia nos surpreende numa velocidade cada vez mais alta. E o que muitas pessoas ainda não perceberam, é que já estamos no futuro…

Veja outra animação do estúdio Spotlight: HELP. Este foi o primeiro trabalho do estúdio e é focado em uma invasão alienígena. Porém não se trata de uma animação como Pearl.

 

Via Design Culture

Etiquetado , , , , , , , , , ,

Suecos criam máquina solar capaz de purificar até 600 litros de água/hora

Greenwater_Kit-de-Purificação-compressed

O casal de empreendedores suecos Annika Johansson e Greger Nilsson, juntos criaram o kit de purificação de água Greenwater, que conta com a combinação de luz ultravioleta (UV) e energia solar.

O sistema de purificação elimina da água as bactérias patogênicas, vírus, amebas e parasitas, inclusive bactérias resistentes ao nosso cloro, tudo isso de maneira sustentável. O sistema tem capacidade para filtrar até 600 litros de água por hora, o que equivale a um consumo médio diário de 80 pessoas.

Usando energia solar, o sistema dispensa o uso da eletricidade vinda da rede convencional, facilitando sua aplicação em regiões com pouca infraestrutura, sem acesso à energia elétrica, por exemplo. Além do mais, o equipamento é portátil, tornando o transporte muito mais simples e até mesmo eficiente.

“As soluções da Greenwater podem ser aplicadas em diversos contextos: desde situações críticas, como catástrofes, em que a infraestrutura de uma região é devastada, não restando qualquer possibilidade de acesso à água potável, passando por países ou comunidades carentes de um sistema de água e esgoto, até empresas que estejam buscando soluções sustentáveis e inovadoras para o tratamento, seja para a entrada (Input) ou para a saída (Output), da água”, explica Greger Nilsson, responsável pela área de desenvolvimento da empresa.

Greenwater_Testes-em-Ruanda-compressed

Primeiros testes

Em abril, a equipe fez os primeiros testes de campo em Ruanda, na África, com sucesso. Agora, a empresa finaliza algumas otimizações e adaptações do Kit para torná-lo ainda mais eficiente para o tipo de água daquele país, em que na qual, o mesmo deve receber 25 unidades do equipamento, que serão instaladas em escolas, hospitais, centros comunitários, dentre outros.

No Brasil

O Brasil também está no cronograma de testes da empresa. O objetivo dos fundadores é atingir dois grupos: um que é formado por comunidades carentes, como favelas, e populações que vivem em regiões afastadas dos centros urbanos. Outro que é formado pelos setores da construção civil.

 

Via Engenharia é

Etiquetado , , , , ,

Kay Pike e suas incríveis transformações por maquiagem

Conheçam a incrível Designer e Modelo Kay Pike que faz incríveis maquiagens para se tornar heróis e vilões das HQ’s.

 

Para mais, clique aqui.

Etiquetado , , , , ,

Artistas provam que qualquer imagem pode se tornar um poster de cinema perfeito

fotos-virando-posteres

Your_Post_As_A_Movie é uma página do Reddit onde usuários podem provar que tem criatividade de sobra editando imagens comuns transformando-as em algo extremamente legal. As imagens são transformadas em pôsteres de filmes através do Photoshop, ficam iguais àqueles que vemos nas paredes do lado de fora do cinema com direito a nomes de atores, data de lançamento e tudo mais. O resultado final da maioria das imagens é fantástico! Dá só uma olhada nas imagens a seguir:

fotos-virando-posteres_1

 

fotos-virando-posteres_2

 

fotos-virando-posteres_3

 

fotos-virando-posteres_4

 

fotos-virando-posteres_5

 

fotos-virando-posteres_6

 

fotos-virando-posteres_7

 

fotos-virando-posteres_8

 

fotos-virando-posteres_9

 

fotos-virando-posteres_10

 

fotos-virando-posteres_11

 

fotos-virando-posteres_12

 

fotos-virando-posteres_13

 

fotos-virando-posteres_14

 

fotos-virando-posteres_15

 

fotos-virando-posteres_16

 

fotos-virando-posteres_17

 

fotos-virando-posteres_18

 

fotos-virando-posteres_19

 

fotos-virando-posteres_20

 

fotos-virando-posteres_21

 

fotos-virando-posteres_22

 

fotos-virando-posteres_23

 

fotos-virando-posteres_24

 

fotos-virando-posteres_25

 

fotos-virando-posteres_26

 

fotos-virando-posteres_27

 

fotos-virando-posteres_28

 

fotos-virando-posteres_29

 

fotos-virando-posteres_30

 

fotos-virando-posteres_31

 

fotos-virando-posteres_32

 

fotos-virando-posteres_33

 

fotos-virando-posteres_34

 

fotos-virando-posteres_35

 

fotos-virando-posteres_36

 

fotos-virando-posteres_37

 

fotos-virando-posteres_38

 

fotos-virando-posteres_39

 

fotos-virando-posteres_40

 

fotos-virando-posteres_41

 

fotos-virando-posteres_42

 

fotos-virando-posteres_43

 

fotos-virando-posteres_44

 

fotos-virando-posteres_45

 

fotos-virando-posteres_46

 

fotos-virando-posteres_47

 

fotos-virando-posteres_48

 

fotos-virando-posteres_49

 

fotos-virando-posteres_50

 

fotos-virando-posteres_51

 

fotos-virando-posteres_52

 

fotos-virando-posteres_53

 

fotos-virando-posteres_54

 

fotos-virando-posteres_55 (1)

 

fotos-virando-posteres_56

 

fotos-virando-posteres_57

 

fotos-virando-posteres_58

 

fotos-virando-posteres_59

 

fotos-virando-posteres_60

 

fotos-virando-posteres_61

 

fotos-virando-posteres_62

 

fotos-virando-posteres_63

 

fotos-virando-posteres_64

 

fotos-virando-posteres_65

 

fotos-virando-posteres_66

 

Via Tock’Ntech

Etiquetado , , , , , , , ,

Por que o manual de identidade visual da Nasa é icônico para o design

Livro reúne logotipo perdido e marcas utilizadas pela agência espacial norte-americana nos anos 1970

manualnasa-aberto

Logo virou cult entre designers pela inovação – Foto: Reissue of the 1975 NASA Graphics Standards Manual/Reprodução

Em 1974, os designers Richard Danne e Bruce Blackburne lançaram o  manual de identidade visual oficial da Nasa, a agência espacial norte-americana. O livro definia as fontes, cores, logos e padrões de estética que seriam usados dali em diante nas naves construídas pela agência espacial.

logos-nasa

À esquerda, o logo proposto em 1974; o outro, atual, saiu de cena na ocasião e voltou em 1992 – Foto: Reissue of the 1975 NASA Graphics Standards Manual/Reprodução

A mudança determinava também um novo logo para a Nasa. Antes de 1974, a agência usava o mesmo logo de hoje. A ‘almôndega’, como é conhecida, é considerada de mau gosto pelos padrões do design. Alguns motivos são a dificuldade de reprodutibilidade em diferentes tamanhos de impressão, formatos e superfícies, a qualidade da ilustração a mistura heterodoxa de cores.

“Para a época, [o logo] é uma criação bastante ousada: o padrão estético com esse traçado contínuo, a barra da letra ‘A’ suprimida, fazendo referência a uma ogiva de foguete, a sensação de continuidade das letras conectadas… é como se fosse um tubo de alumínio que foi curvado, o que faz referência aos materiais que a Nasa usa.”

Luciano Cardinali
Professor de Design da Escola Superior de Propaganda e Marketing

O novo logo, futurista, minimalista e sóbrio, caiu no gosto dos profissionais de design gráfico. Mas gerou controvérsia pelo modernismo forte e característico – inclusive entre os altos engenheiros e diretores da Nasa, que pouco se importavam com padrões de design e sentiam falta da versão antiga.

Em 1992, a Nasa abandonou o logotipo vermelho e voltou a adotar a almôndega. O antigo manual foi abandonado e parou de ser produzido.

“[O manual] é um exemplo maravilhoso de pensamento modernista em design que foi prevalente nos anos 60 e 70. Para mim, como designer, é tecnicamente perfeito.”

Hamish Smyth
Criador da campanha no Kickstarter, em entrevista ao The New York Times

O logotipo vintage de 1974 ficou conhecido como ‘o logo perdido da Nasa’. O manual se tornou cult entre designers, pra quem referências iconográficas, coleções e gravuras acabam sendo insumo e repertório. “[Essas coisas] nos municiam a criar, parodiar, modificar, reconectar, reconhecer, entender, processar e projetar (sobre o ombro dos gigantes). Quando fetiche e repertório se misturam com simbolismo e fantasia, aí você tem o surgimento de um clássico instantâneo – como foi o caso do manual de marca da Nasa”, diz Fabio Lopez, professor de design da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.

detalhe-nasa (1)

Detalhe no manual mostra padrões de identidade visual para as aeronaves – FOTO: REISSUE OF THE 1975 NASA GRAPHICS STANDARDS MANUAL/REPRODUÇÃO

É provavelmente por isso que, em 2016, um grupo de profissionais da área organizou uma campanha de financiamento coletivo para relançar o manual em uma espécie de edição de luxo.

O projeto foi um sucesso: seus criadores arrecadaram quase US$ 942 mil para bancar a reedição. O livro começou a chegar aos compradores em março deste ano. Ele custa US$ 79 e é despachado para todo o mundo.

A demanda recente, aliás, despertou a atenção da Nasa, que resolveu disponibilizar o manual gratuitamente em versão PDF em seu site.

Sim a marca “perdida” da Nasa é uma produção muito bem elaborada e projetada, um marco no design e uma inspiração, mas vale lembrar que design não é apenas a vontade do projetista, como já foi dito a “almôndega” agrada a equipe da Nasa. Em outras palavras, o cliente é tão importante para o projeto quanto a inspiração e a inovação. O que nos deixa com a pergunta, para quem é produzida a identidade da Nasa? O grande público? Seus engenheiros? Seus profissionais? Sua diretoria? Deixe nos comentários suas opiniões.

 

Via Nexo, opiniões Urucum Digital.

Etiquetado , , , ,

Inspiração Editorial

Que tal se inspirar com essa matéria e fervilhar com novas ideias?

Leveza e Equilíbrio

Esse projeto foi criado pelo designer Brendan Jones como um exercício da matéria de tipografia. Seu objetivo era justamente demonstrar a utilização da tipografia em contextos diferentes. O resultado foi um trabalho clean e muito visual, com a utilização das cores do Google mesclando nas imagens de uma maneira bem interessante.

Chama muito a atenção também a própria apresentação, item importantíssimo para qualquer projeto.

IE1-le1

IE1-le2

IE1-le3

IE1-le4

IE1-le5

IE1-le6

IE1-le7

IE1-le8

IE1-le9

IE1-le10

IE1-le11

IE1-le12

IE1-le13

 

Flexibilidade e Ilustrações

Seguindo sempre uma grid pré-definida, mas não transformando ela em uma prisão, o ilustrador Alexey Kurbatov utiliza as colunas com tamanhos diferentes em conjunto com incríveis ilustrações e fez desse trabalho um resultado muito interessante.

IE1-fi2

 

Fotografia como Infográficos

O designer DearV_Dolin, que já fez diversos trabalhos para revistas brasileiras, entre elas a Piauí, tem também essa série de trabalhos que escolhemos pela proximidade com algumas de nossas revistas nacionais. Um estilo mais comum (próximo do mercado), mas com um visual muito atraente.

 

IE1-fi21

 

via Designerd

Etiquetado , , , , , , , , ,

Design brasileiro vai padronizar termos

lapis-ideia-design

Termos comumente usados pelos profissionais de design serão, em breve, padronizados. A Comissão de Estudos de Serviços de Design reuniu, em 2015, pouco mais de 50 profissionais e estudiosos da área que colaboraram para a elaboração da Norma de Terminologia em Serviços de Design. O documento deve entrar em consulta pública no fim de abril, no site da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

A mesma comissão, que possui membros de ABNT, Sebrae, empresários, instituições de ensino e contratantes de serviços, está trabalhando ainda em outra norma, a de Diretrizes para Boas Práticas em Serviços de Design. “A comissão atua para organizar o mercado de design e padronizar os serviços, suas entregas e expectativas dos clientes”, afirma o coordenador da comissão, Alexandre Guedes Mussnich, empresário do setor de design.

É a primeira vez que profissionais e estudiosos do tema se reúnem, com aval e reconhecimento da ABNT, em prol da normatização tanto de termos quanto de boas práticas. “A criação dessas normas é uma oportunidade única de desenvolvimento para o setor e o país”, comenta Elsie Quintaes, analista de Acesso à Inovação e Tecnologia do Sebrae.

Mussnich destaca que diversos países usam e mensuram a normalização de termos, com resultados positivos. “Grã-Bretanha, Canadá, Estados Unidos, Austrália e Alemanha podem ser citados como referência em avanços conquistados após estabelecerem essas normas”, afirmou.

 

Via Pequenas Empresas & Grandes Negócios

Etiquetado