Arquivo da tag: Melhorar a Criatividade

Dicas para jobs melhores

Muitos designers são muito bons no que fazem, mas ainda não o sabem, infelizmente. E talvez seja por isso que vemos tantos trabalhos medíocres e que mais parecem concebidos sob a correria de uma gráfica rápida. A forma como um designer lança à tona seus jobs diz muito sobre seu responsável. Alguns desleixos podem representar muito bem que um dado artista gráfico está meramente dominando a ferramenta (e sim, aquela história de que o profissional é mais importante que o programa é tudo verdade), como vemos exemplos de grandes profissionais da indústria gráfica desenvolvendo trabalhos fantásticos a despeito do programa utilizado.

melhor-1

A grande questão que circunda esse universo maravilhoso do Design, no que se refere à qualidade do trabalho prestado, é a problemática do zelo pelo que se está desenvolvendo. É comum, por exemplo, vermos a utilização de uma série de elementos em um cartaz, sendo que esta peça gráfica poderia passar uma ideia muito melhor e mais organizada se carregasse em si menos artifícios visuais. Porque às vezes (quase sempre), “less is more”. Ou “menos é mais”, conforme citou sabiamente o arquiteto alemão Ludwig Mies van der Rohe.  É comum encontrarmos designers se queixando de não ter tido o job valorizado à altura. Mas quando olhamos a qualidade de seu design, nos perguntamos: “que altura?”. É bom deixar claro aqui que, estilo, tendência, segmento, ramificação não são a mesma coisa que design em déficit. Daqueles que o garoto (quem lê entenda a referência com um parente filho do irmão) não sabe ao menos qual família tipográfica usar em um anúncio de tom formal, por exemplo. E alguns saem na astúcia desastrosa de usar alguma fonte semelhante à Comic Sans nessa situação.

melhor-02

Em suma, muitos dos desafios e entraves que ainda encontramos em nosso “universo designiano”, infelizmente parte de nós mesmos. E dito isto, não precisamos defender a ideia da formação acadêmica, estritamente. É bom pensar que muito do que sabe na vida vem com esforço e dedicação. Não seria muito diferente nesse âmbito. Transpiração ainda tem sido mais necessário que a inspiração quando o assunto é criatividade. E isso pode, é claro, gerar mais respeito e melhor precificação de nosso trabalho.

melhor-2

Observar tempo para boas leituras; um bom café – sem exageros, é bom fixar; dedicar atenção a bons filmes, com roteiros e produção de boa qualidade; aproveitar oportunidades de aprender mais com os mais experientes; “stalkear” um outro designer já com trabalhos relevantes no ramo; ouvir músicas que tratem de temas relacionados à área (esquecer um pouco o Wesley Safadão e a Anitta – brincadeira, se você curte, fica de boa); ler a respeito do que mais te interessa na área; assistir documentários ou mesmo pequenos vídeos sobre criatividade; buscar entender um pouco mais sobre linguagem corporal e dicção (pode ajudar muito na apresentação dos jobs); dedicar-se com primazia ao job que se está trabalhando, buscando sempre a melhor forma de o concluir, de lapidar as arestas do mesmos, de vê-lo ganhando forma de uma perspectiva diferenciada; buscar boas referências relacionadas ao projeto em desenvolvimento e saber o que vai agregar valor e o que pode ficar de fora, ou ser lembrado suavemente na peça, enfim. As formas de aprimorar o seu design são inúmeras e aqui não está sequer um grão de tudo o que sabe a respeito. A questão é simples: Quando se quer valorização pelo trabalho desenvolvido, procura-se desenvolver um bom trabalho.

melhor-3

Ainda sobre a qualidade dos jobs, é bom lembrar também que a apresentação é um fator muito importante à aprovação destes. Uma apresentação bem elaborada pode levar à ausência de alterações e outras chatices inesperadas. Portanto, pesquisar como elaborar uma boa porta de entrada para seu design pode ser muito útil.

melhor-4

Muito se tem a discorrer a respeito desse assunto. No entanto, essas breves considerações nos dão um norte com relação ao aprimoramento daquilo que nós, artistas e profissionais gráficos, mais amamos  e mais espalhamos na vida: nosso design.

 

Via Design Culture

Anúncios
Etiquetado , , , , ,

Como ler livros grátis no WhatsApp com Leitura de Bolso

Ler livros grátis pelo WhatsApp já é um recurso que pode ser somado a lista de funções do mensageiro. Isso graças ao projeto Leitura de Bolso, lançado no final de 2015, que utiliza o app e seus recursos multimídia para enviar fragmentos de obras literárias, acompanhados de vídeos e imagens.

A iniciativa surgiu depois do levantamento que revelou que, em 2014, 70% dos brasileiros declararam não ter lido nem um livro no ano. Assim, com a missão de estimular o hábito de leitura, reverter esse número e promover autores, a iniciativa envia diariamente, pelo mensageiro, textos que podem ser lidos em até 5 minutos. Veja como fazer o cadastro no Leitura de Bolso:

novos_emojis-2

Passo 1. Entre na página do Leitura de Bolso pelo browser no celular ou PC. Lá estará a apresentação da plataforma e as regras de funcionamento;

leitura-de-bolso-02fw_

Acesse o site do Leitura de Bolso (Foto: Reprodução/Daniel Ribeiro)

 

Passo 2. O site também oferece breves apresentações sobre o escritor convidado, com uma pequena biografia e fotos;

leitura-de-bolso-03fw_

Aproveite para conhecer mais sobre o autor da temporada na página do Leitura de Bolso (Foto: Reprodução/Daniel Ribeiro)

 

Passo 3. Ainda na página do Leitura de Bolso, preencha o cadastro com seu nome, número do celular (o mesmo do WhatsApp) e o e-mail. Lembre-se também de marcar a opção “Aceito os termos de uso”;

leitura-de-bolso-04fw_

Digite seus dados cadastrais nos três campos de registro (Foto: Reprodução/Daniel Ribeiro)

 

Passo 4. Ao final do registro, uma mensagem irá aparecer no site indicando o sucesso do cadastro;

leitura-de-bolso-05fw_

Em seguida, será exibida a uma notificação confirmando a inscrição (Foto: Reprodução/Daniel Ribeiro)

 

Passo 5. Além disso, um e-mail será enviado para o endereço inscrito, anunciando o registro no serviço e informando o número de contado do Leitura de Bolso no WhatsApp. Os textos começarão a chegar em seu mensageiro em até 48 horas;

leitura-de-bolso-06

O Leitura de Bolso ainda envia uma mensagem para o e-mail cadastrado confirmando o registro (Foto: Reprodução/Daniel Ribeiro)

 

Passo 6. As chamadas “pípulas” literárias chegarão todos os dias entre 8 e 11h e terão crônicas, trechos de livros, poesias etc., acompanhados de um conteúdo multimídia bem variado;

leitura-de-bolso-10

O Leitura de bolso envia suas mensagens diariamente, entre 8 e 11h (Foto: Reprodução/Daniel Ribeiro)

 

Via Tech Tudo

Etiquetado , , , , , , , , , , ,

ICONIC 2015 – Como Ser Um Artista Mais Disciplinado e Cultivar Bons Hábitos

Uma ótima palestra da ICONIC 2015, de Rael Lyra sobre como ser mais disciplinado e melhorar o processo de criação através de bons hábitos.

Etiquetado , , , , , ,

8 ações típicas de pessoas mentalmente fortes

Quem trabalha com arte sabe a influência e o peso que o emocional causa em nosso trabalho. Não há técnica que resista inabalada quando o emocional vai mal. Por isso, para nós, é necessário ter no currículo algo que não é cobrado, mas que todos sabemos que precisamos, exercícios de autoconhecimento e equilíbrio emocional. Mas atenção, isso não significa que você deva ignorar seus sentimentos e fingir que nada acontece, assim outros problemas podem acontecer.

Um exercício de autoconhecimento nos permite ter reações mais positivas com relação às experiências que vivenciamos diariamente. A psicoterapeuta Amy Morin resolveu abordar o assunto de uma maneira um pouco diferente em uma publicação no Huffington Post. Ela reuniu algumas atitudes que pessoas consideradas emocionalmente fortes costumam tomar todos os dias. Confira a seguir e depois nos conte quais dessas ações você tem também:

 

1 – Elas sabem usar a energia mental

19113520490347

Segundo Morin, pessoas emocionalmente inteligentes sabem filtrar tarefas e pensamentos, de modo que conseguem abstrair aquilo com o que não adianta se preocupar ou se esforçar. Da mesma forma que você desativa algumas funções e alguns aplicativos do seu celular quando a bateria está acabando, de modo que apenas o essencial fica ativo, uma pessoa emocionalmente forte faz o mesmo.

Isso exige treino, e uma boa dica é analisar os seus pensamentos e as suas reações diante do que acontece. Perguntas como “isso é realmente importante?” ou “eu vou conseguir resolver esse problema agora?” fazem toda a diferença. Não perca seu tempo e sua energia pensando em coisas que nem aconteceram ainda ou que não podem ser mudadas.

 

2 – Elas lidam bem com seus pensamentos negativos

19113730798361

Não importa se você tem grana, beleza, saúde, amigos e amores. Uma hora ou outra sua mente vai ser bombardeada com pensamentos negativos, faz parte da natureza humana. Ter pensamentos negativos não é um problema, o que importa é o que você faz com eles.

Pessoas emocionalmente fortes têm diálogos internos e questionam a origem, a serventia e a solução para ideias negativas. Não significa que não ficam tristes, às vezes, mas sim que não se deixam embarcar nessa tristeza por muito tempo, de modo que estão em constante reflexão a respeito dos acontecimentos.

 

3 – Elas trabalham para alcançar metas

19113741921363

A palavra “meta” é geralmente vista como uma vilã, mas a verdade é que traçar metas é o primeiro passo para alcançá-las. Ter seus objetivos bem definidos vai fazer com que você tenha mais facilidade em enxergar seus propósitos.

Pessoas emocionalmente fortes não caem na cilada de esperar uma recompensa imediata. Em vez disso, elas sabem que é importante manter em mente seus objetivos em longo prazo. Elas sabem ver obstáculos como desafios e recebem críticas construtivas como uma oportunidade de aprender e melhorar.

Se você analisar bem, ninguém sabe de tudo, então quando uma pessoa corrige um erro seu e mostra como seria o jeito certo de lidar com determinado assunto, na verdade ela está ajudando você a ser melhor. Em vez de ficar com raiva ou com vergonha, quando alguém corrigir você sem a intenção de transformar essa correção em humilhação, agradeça e aprenda.

 

4 – Elas analisam o próprio progresso

19113801124364

Sabe os objetivos sobre os quais falamos no tópico anterior? Pois é. Essas pessoas de inteligência emocional forte avaliam o que fizeram para alcançarem seus objetivos. Elas reconhecem o que foi bem feito e sabem avaliar o próprio progresso. Dessa forma, conseguem perceber também o que estão fazendo errado, de modo que já começam a pensar em uma maneira de melhorar.

 

5 – Elas lidam bem com situações desconfortáveis

19113811655366

Às vezes precisamos passar por situações desconfortáveis, e é comum que a maioria das pessoas faça de tudo para evitar circunstâncias de stress. Adivinha só como os emocionalmente fortes agem? Isso mesmo: eles tiram proveito dessas mesmas situações desagradáveis das quais quase todo mundo só pensa em se livrar.

Essa tolerância ao stress e ao desconforto não significa que sejam pessoas que gostam de sofrer, mas sim que reconhecem que, às vezes, esse mesmo desconforto pode trazer alguma coisa positiva. Esse raciocínio cabe no esforço da pessoa que vai à academia mesmo depois de um dia cansativo no trabalho e também daquela que se inscreve para assistir a mais duas palestras importantes mesmo na semana mais cheia de compromissos, por exemplo.

 

6 – Elas são gratas

19113827645367

A palavra “obrigada” nos dá a noção de que, por alguém ter feito algo legal conosco, somos obrigados a retribuir. Na verdade, gratidão seria um termo mais interessante de ser usado, e é assim em outros idiomas. Gratidão é a sensação de agradecimento, de felicidade, de “Uau! Essa pessoa fez uma coisa incrível por mim, que alegria!”. Gratidão não faz com que ninguém seja obrigado a retribuir, como se gestos bacanas precisassem ser feitos sempre na espera de uma “recompensa”.

Pessoas emocionalmente fortes não apenas não se focam nessa coisa de obrigação como, em vez de esperarem ansiosamente pelo que falta, sabem agradecer por aquilo que já foi alcançado. Essa pequena mudança de ponto de vista pode parecer simples demais, mas os efeitos que ela proporciona são imensos.

 

7 – Elas equilibram razão e emoção

19113838066368

Não raramente as pessoas gostam de dizer que são racionais ou emocionais, como se fôssemos dominados por apenas um desses lados. Ideal mesmo é equilibrar as duas coisas, de forma que esse equilíbrio sirva como base de autoanálise de sentimentos e atitudes. Morin explica que essas pessoas se dão bem porque prestam atenção na forma que suas emoções podem influenciar seus julgamentos – convenhamos: não deveria ser sempre assim?

 

8 – Elas vivem de acordo com os próprios valores

19113848533369

Essa é, de fato, uma característica presente em pessoas emocionalmente fortes e inteligentes. Vamos pela lógica: no mundo, há mais de 7 bilhões de pessoas. Se até as impressões digitais de cada uma delas é diferente, qual é a lógica de nos compararmos com os outros? Uma coisa é termos alguém que nos inspira e nos serve como mentor, outra coisa é usar essa pessoa como modelo na hora de tomar toda e qualquer decisão.

Pessoas mentalmente fortes vivem de acordo com os próprios valores e não enxergam problema algum disso – de fato, não há. Como explica a psicoterapeuta, essas pessoas não buscam ser melhores do que as outras, mas vivem com o objetivo de se manterem fieis a seus próprios princípios.

E você, se considera uma pessoa emocionalmente forte? Conte para a gente nos comentários!

 

Via Mega Curioso

Etiquetado , , , ,

A felicidade de Logan LaPlante, o sistema de ensino não tradicional e o sentido da vida

8418762546_120a12fdbf_b11

Já a algum tempo eu venho pensando sobre o sistema de ensino. Quando eu estava na escola, nunca me identifiquei com a forma que me ensinavam. Eu sempre gostei de estudar, mas não da forma que me educavam.

Escola para mim era um lugar que eu ia, participava como se estivesse só de passagem, como se não fizesse parte daquele lugar, fazia o que me pediam e ia embora. Meu verdadeiro aprendizado se deu pela minha curiosidade e criatividade, descobrindo o mundo, pesquisando, me aventurando, olhando a natureza.

Acredito fielmente que educar através da criatividade e focando nos interesses individuais dos alunos é a melhor forma de educar. E não matando a criatividade, obrigando a pessoas com futuros brialhantes aprenderem a serem operários ou pecinhas de um sistema.

Logan LaPlante, um garoto de apenas 13 anos, que não frequenta a escola tradicional desde os 9, hoje busca novos conhecimentos através do que ele denominou ser Hackschooling. A ideia de você descobrir seu próprio método de aprendizado é fantástica e cria pessoas felizes, segundo Logan.

Entenda melhor assistindo essa palestra de Logan para o TEDx.

A ideia central de todo o aprendizado de Logan é a felicidade. E assim deveria ser a vida de todos nós. As crianças tem mais facilidade de aprender dessa forma, pois não foram doutrinadas ainda a esquecer que descobrir o mundo é aprender e aprender nos torna mais passíveis de entender o que realmente nos faz felizes.

Você já deve ter percebido, que pessoas mais humildes, pouco estudadas, principalmente no interior, tendem a ser mais felizes. Não é a falta de conhecimento que as torna felizes, mas a liberdade de descobrir o mundo a seu modo.

doiusmpelstbw9isfoyk

Neil deGrasse Tyson, um divulgador científico e astrofísico, pode te ajudar a entender isso de forma simples. Uma criança o perguntou “qual o sentido da vida?” e a resposta vai abrir a sua mente.

 

Fontes: TEDx e awebic

Etiquetado , , , , ,

Escola nos EUA usa design para estimular jovens

Por diferentes frentes, a NuVu Studio – lê-se New View, ou nova visão –, usa o design para propor que jovens de 11 a 17 anos tenham a experiência de prototipar respostas a problemas cotidianos. A escola, que oferece programas complementares ao ensino tradicional, mescla alunos de diferentes idades que, juntos, entram de cabeça em um processo criativo para desenvolver seus próprios produtos.

Para isso, a escola funciona em parceria com o MIT (Massachussets Institute of Technology), nos Estados Unidos, uma das mais reconhecidas universidades de tecnologia do mundo. Com esse apoio luxuoso, os jovens são incentivados a desenvolver protótipos ou projetos por meio de robótica, programação, aplicativos, arte digital, documentários, entre diversas formas alternativas. O objetivo final é que a solução encontrada cause impacto social.

NuvuStudios_Design

Dessa proposta já saíram projetos como o Survival of the Fittest, um aplicativo que coloca um grupo de usuários em competição saudável para melhorar seu condicionamento físico; ou o Partners For Hope (PFH), um projeto social que une educação e futebol para ajudar meninos bons de bola do Haiti a chegarem a universidades dos EUA e da Europa; ou ainda a Social Midia Anxiety, uma animação que mostra como as mídias sociais têm trazido ansiedade para as sociedades contemporâneas.

“Todas as pessoas são geniais de alguma forma”, diz o arquiteto e designer Saeed Arida, um dos fundadores da NuVu Studio, que conversou com o site Porvir sobre o conceito da escola. Arida, que é um dos responsáveis por conectar os alunos que chegam com colegas de interesses comuns, se autoentitula o CEO da escola. Só que esse CEO não é para a sigla de Chief Executive Officer, ou diretor executivo, mas de Chief Excitement Officer, algo como diretor de motivação. Nessa função nada tradicional, ele procura retirar alunos da zona de conforto, expandindo seus limites criativos.

“O design nos direciona em tudo, não só para criar produtos esteticamente melhores ou necessariamente úteis. Nós ensinamos essas pessoas por meio do próprio processo de design, das descobertas no passo a passo da criação”, conta Arida.

Para participar da NuVu Studio, os alunos precisam ser indicados por suas escolas de origem. Como há mais interessados do que vagas, acabam sendo selecionados os alunos que os professores avaliam ter maior afinidade com o tema. Lá, os estudantes são divididos em trios, independentemente de idade, que vão trabalhar juntos por duas semanas. “A disparidade não prejudica o ritmo dos mais velhos. Se isso não acontece na vida real, nas empresas, por que aconteceria aqui?”, questiona Arida.

Os grupos começam os trabalhos pela definição de um objeto de interesse comum, passam à fase de inspiração e pesquisa, depois entram no processo de criação e, por fim, concluem uma avaliação final. Durante todo esse processo, eles são acompanhados por um profissional da NuVu e outro especialista convidado, normalmente com uma relação com o projeto que está sendo desenvolvido. Ao longo do ano letivo, cada aluno se envolve em média em cinco ou seis projetos.

Tecnologia e mentoria

A cada semestre, a equipe fixa da escola (cinco instrutores) define um tema multidisciplinar, que será comum a todos os projetos. Entre os que já foram abordados pelos alunos estão saúde, meio ambiente, ficção científica e moradias do futuro. Diferente do que ocorre em escolas tradicionais, no fim do processo, o principal critério de avaliação do projeto é o quão interessante ele foi. Os trabalhos de conclusão realizados estão disponíveis no site da escola.

Segundo Arida, as instalações da NuVu favorecem o pensamento criativo, assim como seu ambiente aberto, conectado a equipamentos de ponta, sempre à disposição. Nesses espaços, os alunos utilizam ferramentas profissionais da engenharia ou arquitetura. “Nosso foco é o fazer, da forma mais sofisticada possível. Para tanto, encorajamos o bom uso da tecnologia”, afirmou.

No entanto, continua Arida, o ponto forte da NuVu não se baseia apenas em infraestrutura, uma vez que seus instrutores são preparados para extrair o máximo da expressão criativa de cada um. “Com todos esses recursos tecnológicos, nós aumentamos as chances de acontecer coisas bacanas, mas não é tudo. O mais importante é formar jovens capazes de realizar seus próprios projetos”, reiterou.

Habilidades para a vida

Experimentações em grupos pequenos, sempre seguindo um fluxo dinâmico e conclusivo, embora sempre em liberdade. Isso estrutura a rotina da escola e a confiança dos alunos, aponta Arida. Para ele, quanto mais seguros de si, mais poderão ousar na criação de produtos interessantes. Igualmente, quanto mais os alunos estiverem focados no processo criativo, mais conscientes de suas limitações ou potenciais se tornarão.

Dessa forma, a NuVu compreende que o papel dos instrutores é crucial para estimular os pontos fortes ou alertar para as fraquezas de cada um, ajudando os jovens a desenvolver habilidades úteis para a vida, e não apenas úteis na escola.

Aliás, a habilidade de improvisar, mudar de ideia, começar de novo e transformar o rumo dos protótipos é o motor pedagógico da NuVu, considera Arida. Além disso, para crescerem no desenvolvimento dos módulos, os alunos precisam praticar a solidariedade, pois o trabalho é essencialmente colaborativo; devem ser flexíveis para chegar a decisões comuns; precisam afiar a capacidade de pensar e agir rapidamente, ter fácil adaptação ao novo, ao diferente, além de certa maturidade para autoavaliação e leitura crítica de sua obra ou comportamento.

Arida observou que, sobretudo, a nova geração demonstra ter uma capacidade maior de utilizar a tecnologia para facilitar a vida cotidiana como, por exemplo, para se comunicarem melhor entre si, não só para o trabalho. Sobre o futuro, o educador enxerga um desafio. “Empregos estão se transformando conforme os avanços sociais. Com criatividade se pode enfrentar qualquer situação. Nós preparamos nossos alunos para o desconhecido.”

 

Matéria de Porvir

Etiquetado , , , , , ,

O menino que pode salvar o oceano

interview-boyan-slat_1

Eu vivo catando lixo na praia e jogando na lixeira, o que de nada adianta, pois na minha cidade não existe coleta seletiva, logo não há reciclagem. As vezes me pergunto a importância de eu me preocupar em limpar aquele pedacinho de praia, sendo que o lixo vai sujar em outro lugar. Sempre penso “eu faço minha parte, mas é tão ínfimo, do que adianta?”. Pois então, adianta e um jovem holandês vem mostrando isso. Mostrando que dar o exemplo, faz a diferença.

Boyan Slat, um holandês de 16 anos na época, foi passar suas férias na Grécia e curtir suas belas praias, mas se espantou com a quantidade de plásticos e lixo na água e na praia, eram tantos que ele achou que fossem águas-vivas.

Qualquer pessoa de bom senso se revoltaria com essa situação, mas poucas fariam alguma coisa a respeito. Mas o que fazer com tanto lixo? A cada ano, a humanidade joga 6,4 milhões de toneladas de lixo no mar – e 80% disso é plástico. Estima-se que haja 18 mil pedaços de plástico para cada quilômetro quadrado de oceano, mas mesmo assim, com dados tão desanimadores Boyan achou que podia dar um jeito.

Ele apresentou uma ideia para limpar o mar na feira de ciências em sua escola. Boyan começou a estudar os chamados giros oceânicos. Há cinco giros principais. Eles são grandes correntes marítimas que puxam o lixo do resto do oceano, e funcionam como enormes redemoinhos de sujeira. Chegam a ter seis vezes mais plástico do que zooplâncton (criaturas microscópicas que são a comida dos animais maiores). Por que não atacar o problema justo ali? Ao invés de ir atrás do lixo, por que não deixar ele vir até você – e aí capturá-lo com uma armadilha? Foi isso o que Boyan pensou.

O projeto acabou ganhando um prêmio da Universidade de Delft, uma das mais importantes da Holanda, e fez o garoto ser convidado para uma apresentação no evento TED – que foi vista 1,7 milhão de vezes pela internet.

A ideia chegou às Nações Unidas, que em novembro de 2014 deram a Boyan o Champion of the Earth, seu maior prêmio ambiental. O menino criou um site para levantar doações. Conseguiu, contratou cientistas e engenheiros, e começou a tocar o projeto.

Basicamente o projeto se trata de um grande cordão com 100km de boias, colocadas em formato de “U” que embarreram o lixo, que será recolhido depois por um navio lixeiro a cada 45 dias. Em teoria, peixes e outros animais não seriam afetados, pois conseguiriam passar por baixo das barreiras.

O projeto recebeu muitas críticas de especialistas. Alguns disseram que as armadilhas não vão funcionar, pois os giros oceânicos são grandes demais. Outros acham que as boias podem arrebentar ou se deformar. Ou que o problema está na fixação (pois cada barreira precisa ser amarrada, com um cabo de 4 km, ao fundo do mar, o que é tecnicamente difícil). Também houve quem questionasse o que seria feito com o plástico recolhido, pois a água salgada e o sol alteram suas propriedades, dificultando a reciclagem. A saraivada de críticas mexeu com Boyan. “Aquilo me afetou bastante”, admite.

Usando parte do dinheiro que havia arrecadado, ele contratou uma equipe de engenheiros e biólogos, que refinaram o sistema e elaboraram estudo de 530 páginas que explica como ele pode funcionar. Uma das soluções veio do Brasil. Uma experiência da Universidade de Caxias do Sul mostrou que é possível reciclar plástico coletado no mar. “As pessoas pensam que é só pegar o material, colocar numa máquina e reci-clar. Mas ele vem fragmentado e cheio de colônias (animais) na superfície”, diz o estudante de engenharia ambiental Kauê Pelegrini, responsável pelo projeto. Ele e seus professores criaram um processo que limpa, separa e condiciona plástico – que foi transformado em saboneteiras.

O estudo de Boyan também mostrou que é possível transformar o plástico em óleo – que poderia ser revendido, gerando recursos para a manutenção das boias. Até agora, Boyan levantou pouco mais de US$ 2 milhões em doações. Esse dinheiro é suficiente para produzir algumas barreiras e testá-las na primeira etapa do projeto, que deverá durar quatro anos. Ele calcula que, se o sistema fosse implantado em larga escala, seria possível retirar 16% de todo o plástico dos oceanos a cada dez anos. Isso significa que, teoricamente, o problema do lixo marinho poderia ser resolvido em algumas décadas. O custo seria de US$ 30 milhões anuais, um valor modesto (a cidade de São Paulo gasta 20 vezes isso com a coleta de lixo). “Acho que a tecnologia é o melhor meio para qualquer mudança. Eu poderia dedicar minha vida a isso”, sonha o garoto.

 

Informações Planeta Sutentável

Etiquetado , , , , , , , , ,

Dicas de quem entende para quem trabalha com arte

street-art-by-scampi-in-wellington-new-zealand

Ao longo do tempo gente bacana passou aqui no Urucum Digital e deixou suas dicas de como se dar bem em seu ramo de atuação. Foram juntadas todas as dicas neste post, quem sabe não é o empurrãozinho que está faltando para você que está começando ou para quem está precisando daquele incentivo.

A primeira coisa para mim é assumir o erro como parte do processo. Então jogue sua querida borracha fora e pratique o desapego. Depois é desenho, desenho, desenho e mais desenho. Desenhe até a mão cair, depois custure a mão e continue a desenhar. Quando ela cair de novo, repita o processo. E continue eternamente, é o que eu estou tentando fazer.

Gustavo Rodrigues, Ilustrador e Designer.

 

Meu conselho é: FOTOGRAFE! Comece de algum ponto. Todos os grandes fotógrafos de hoje, começaram de baixo. É necessário coragem, dedicação e capacitação. Se o trabalho for consistente, ele será percebido e valorizado. É o que busco na minha fotografia. Não quero todos os clientes do ES e do mundo pra mim. Quero os que amem a minha fotografia e os que façam questão de tê-la guardadas pra sempre.

Maressa Moura – Fotógrafa

 

Então, o que eu aconselho em primeiro lugar, é para todos apaixonados por arte, precisa praticar muito para alcançar um manejo especial da técnica.

Em seguida, deve-se levar valores que podem encontrar os sentimentos das pessoas, é por isso que como seres humanos todos nós devemos estar abertos e interligados.

Então como em qualquer negócio, um lado de sua alma de artista tem que considerar a melhor opção para venda. Não hesite em gastar algum tempo com isso também!

Henri Lamy – Pintor

 

Minha dica principal: Vá em busca de você mesmo. Pode ser que você encontre um mestre, pode ser que não. Pode ser que você tenha uma escola, pode ser que não. Pode ser que um monte de coisas que você acha que vai fazer na sua vida, na realidade nunca aconteçam. Mas nunca desista de você mesmo e do que te faz feliz, por que uma hora você tem que aceitar, o mundo não é um lugar fácil, e você não pode parar de lutar.

Se precisar toma seu tempo e respira, Mas sabendo que vai levantar e vai lutar de novo. No seu coração tem todas as respostas que você precisa. E a sua arte vai ser do tamanho do seu amor.  E só você buscar e seguir você mesmo.

Aprender a fazer sua arte e aprender a fazer dinheiro, são coisas diferentes. Com internet vocês tem tudo que precisam. Existem escolas muito boas online. Tipo CDA e Schoolism e Melies. Se você não tem dinheiro existe de graça também. Se você não tem tempo acorda mais cedo, dorme mais tarde. Evita drogas e exageros. Ou qualquer coisa que te roube de você mesmo.

Algumas pessoas vão falar que estudar o renascimento é o melhor, outras que a Indústria diz o que você faz. Faça os dois. Se ta em dúvida se estuda 3D ou ilustração, faz os dois, no caminho você se encontra.

E o segredo maior, não tem segredo. Existe luta. Eu queria falar que não desista que um dia você alcança, mas pensa bem alcançar o quê? Quando você chegar lá você vai parar? Talvez você já esteja muito mais longe do que imagina.

Reinaldo Rocha – Ilustrador

 

(…) naquela época eu não estava preocupada em trabalhar e ganhar dinheiro, eu estava preocupada em fazer alguma coisa que eu realmente gostasse. Eu acho que isso é uma coisa que todo estudante deveria ter em primeiro lugar. Você fazer uma coisa que você realmente gosta. Isso, se você conseguir fazer isso, o dinheiro vai ser consequência. Você vai chegar uma hora que você vai fazer o negócio tão bem, que pode até ser uma coisa que tem em qualquer esquina entendeu? Mas você vai se sobressair porque é uma coisa que você gosta e faz com amor entendeu? E as pessoas percebem isso.

Carol Poubel – Designer de Jóias

 

Dicas.. sim! praticar e continuar praticando sempre. É necessário ter uma linha, um caminho pois sem nosso “norte” seremos apenas mais um em meio a milhares. Acredito que deve-se ter disciplina. Não siga apenas seus artistas favoritos, mas veja quem seus artistas favoritos seguem. É preciso entender a raiz de um traço, estilo e linha de pensamento para assim obter uma identidade segura. Acredite em você mesmo e procure sempre críticas e peça opiniões, pois é preciso saber se sua mensagem tem o efeito que você deseja.

Alexandre Neves – Ilustrador

 

É bom.. Claro, pelo dinheiro.. Mas principalmente por ser o que eu gosto de fazer.

Cami Almeida – Cake Designer, Designer Gráfica e Designer de Moda

 

Atenda muito bem seus clientes, seja tipo amigo deles. Dê total atenção à ele, queira sempre surpreende-lo também. Seja sempre honesto e claro a respeito do seu trabalho, Isso acho que é o que faz MUITO a diferença. Tenha amor por aquilo que faz e cuidado também com os detalhes, e quando errar admita. Só isso mesmo =)

Gabriela Queiroz – Artista Toy-Art, Craft e Design

 

Atualmente algumas “inspirações” chegam a mim via internet. Tem muita gente talentosa fazendo trabalhos incríveis que nunca teria visto se não fosse por isso. Para citar alguns: Sergey Kolesov, Bengal, Claire Wendling e Kim Jung Gi. Mas no momento, inspiração mesmo vem dos meus colegas de estúdio, Fujita e Calil. Nunca produzi e pintei tanto como agora e boa parte disto é culpa deles.

Greg Tocchini – Ilustrador

 

Não me sinto à vontade pra dar dicas, mas algumas coisas me são importantes. Uma ilustração/quadrinho pode afetar o comportamento alheio, e isso implica responsabilidade. A leitura e a reflexão são fundamentais, e se refletem no nosso trabalho.

Quem busca originalidade talvez deva parar de tentar agradar os outros ou seguir caminhos já percorridos. Todos somos únicos, originais. Talvez a resposta esteja dentro de nós mesmos.

Alexandre Beck – Ilustrador, Agrônomo e Comunicador Social

 

Você tem que se perder em seu trabalho, criar para si mesmo, torná-lo bonito e aproveitar o poder que sua mídia tem.

Bill Watterson – Cartunista

Etiquetado , , , , , , , , , , , ,

Pessoa Bagunceiras São Mais Criativas

Não é segredo para ninguém o quanto eu luto contra a minha própria bagunça, é um processo sem fim e eu já até falei disso em um conto meu, mas o que eu tenho aprendido recentemente, é que a minha bagunça é boa! Nem toda bagunça pode ser considerada saudável, mas quando ela incentiva um processo criativo ou uma organização em seu próprio caos particular, na verdade ela é uma coisa boa.

Todo mundo é um pouco desorganizado.

Todo mundo é um pouco desorganizado.

Organização é tida como uma virtude de pessoas bem sucedidas, enquanto os bagunceiros são vistos como relaxados, mas não é bem assim. A mesa bagunçada ou a mania de não colocar as coisas em seu devido lugar não é tão ruim, a boa notícia é que pessoas desorganizadas costumam ser as mais criativas, ou no caso, pessoas criativas provavelmente são e precisam ser desorganizadas.

Um estudo realizado em 2013 pela Universidade de Minnesota constatou que as pessoas com quartos, escritórios e mesas bagunçadas tendem a ser mais inventivas do que as que optam por manter tudo na mais perfeita ordem. Claro que não se trata de deixar a higiene de lado ou transformar os locais em um total caos, tornando-os inabitáveis, mas uma “bagunça organizada” é totalmente bem-vinda.

A cientista em psicologia responsável pelo estudo, Kathleen Vohs, ao observar e comparar os ambientes de pessoas bagunceiras com o das organizadas, somados a alguns estudos acadêmicos, conseguiu concluir que as primeiras tendem a ter pensamentos mais criativos e originais. Você pode se aprofundar mais no texto da psicóloga “It’s not ‘mess.’ It’s creativity“.

1. Sua mesa é uma bagunça, mas ainda assim você tem total controle sob ela

pessoas-bagunceiras-criativas-1

 

2. Você usa a criatividade para descobrir maneiras de fazer tudo – não se sabe exatamente como – as coisas acontecem naturalmente

pessoas-bagunceiras-criativas-2

Eu não sei como responder essa pergunta.

 

3. Embora pareça absurdo para os outros, as pessoas desorganizadas são metódicas ao seu modo

pessoas-bagunceiras-criativas-3

 

4. Ambientes bagunçados podem estimular o pensamento criativo

pessoas-bagunceiras-criativas-4

 

5. Esse tipo de pensamento, na sua forma pura, é pensar fora das linhas de raciocínio convencional

Meu quarto é só uma bagunça organizada

Meu quarto é uma bagunça organizada só

 

6. Como já questionado por Albert Einstein: “Se uma mesa bagunçada é sinal de uma mente desordenada, uma mesa vazia é sinal de quê?”

pessoas-bagunceiras-criativas-6

 

7. E não é só Einstein que está nesta lista – Pessoas como Steve Jobs também não são muito organizadas

pessoas-bagunceiras-criativas-7

 

8. Nem o Steve Ballmer, da Microsoft

pessoas-bagunceiras-criativas-8

 

9. Então se você é “bagunceiro por natureza”, encontrar um equilíbrio entre a desorganização e a urgência de limpeza é extremamente saudável

pessoas-bagunceiras-criativas-9

 

10. Um local bagunçado é sinal de que, ao invés de perder tempo arrumando, a pessoa está produzindo

pessoas-bagunceiras-criativas-12

É claro que você não vai deixar a bagunça chegar a esse nível.

pessoas-bagunceiras-criativas-111

Se sua bagunça é um aglomerado de coisas que você precisa acessar constantemente ou que te inspiram a realizar determinada atividade, então ela provavelmente é uma bagunça que te faz bem, no entando se em uma “panorâmica” por cima do cenário te lembra um lixão, é sinal de que você precisa rever sua higiene e hábitos.

 Informações O Segredo

Etiquetado , , , ,
Anúncios