Arquivo da tag: História

Por que civilizações antigas não reconheciam a cor azul?

160218191146_azul_vino_mar_624x415_thinkstock_nocredit

O mar cor de vinho foi parar na memória coletiva graças a Homero

Em sua investigação sobre como a linguagem afeta a maneira como vemos o mundo, o linguista Guy Deutscher dedicou-se a um tema específico: a ausência de referências à cor azul nos textos de diversas civilizações antigas.

O primeiro intelectual a notar essa curiosidade foi o britânico William Ewart Gladstone (1809-1898), que não apenas foi quatro vezes primeiro-ministro como também um apaixonado pela obra do poeta Homero.

Apesar das maravilhosas descrições feitas por ele nos relatos A Ilíada e A Odisseia, que incluíam frases como “a aurora com seus dedos rosados”, em nenhum momento o autor pintava algo de celeste, índigo ou anil.

Gladstone repassou todo os dois textos, prestando atenção às cores mencionadas. Descobriu que, enquanto o branco era mencionado cem vezes e o preto, quase 200, as outras cores não tinham tanto destaque. O vermelho era citado menos de 15 vezes e o verde e o amarelo, menos de dez.

Ele leu, então, outros escritos gregos e confirmou que o azul nunca aparecia. Concluiu que a civilização grega não tinha à época um senso de cor desenvolvido e vivia em um mundo preto e branco, com algumas pinceladas de vermelho e de brilhos metálicos.

“Eles entendiam o azul com a mente, mas não com a alma”, afirma o pesquisador.

 

Em parte alguma

Como descrever esta cena sem usar a palavra 'azul'?

Como descrever esta cena sem usar a palavra ‘azul’?

A pesquisa de Gladstone inspirou o filósofo e linguista alemão Lazarus Geiger, que se perguntou se o fenômeno se repetia em outras culturas.

Ele descobriu que sim: no Alcorão, em antigas histórias chinesas, em versões antigas da Bíblia em hebraico, nas sagas islandesas e até nas escrituras hindus, as Vedas.

“Esses hinos de mais de dez mil linhas estão cheios de descrições do céu. Quase nenhum tema é tratado com tanta frequência. O sol e o início da madrugada, o dia e a noite, as nuvens e os relâmpagos, o ar e o éter, tudo isso é contado”, afirma Geiger.

“Mas uma coisa que ninguém poderia saber por meio dessas canções é que o céu é azul.”

Geiger também notou que houve uma sequência comum para o surgimento da descrição de cores nas línguas antigas. Primeiro, aparecem as palavras para preto e branco ou escuro e claro – do dia e da noite -; logo, vem o vermelho – do sangue -; depois, é a vez do amarelo e do verde e, só ao final, surge o azul.

Mas por que o azul não apareceu antes?

“E por que deveria?”, questiona o psicólogo Jules Davidoff, diretor do Centro para Cognição, Computação e Cultura da Universidade de Londres. “Por que precisariam do azul para descrever algo? Quem disse que o mar e o céu são azuis? Por acaso, eles têm a mesma cor?”

 

Cognição

Além de não ser um objeto, o mar não é sempre azul, apesar de ser tradicionalmente representado assim

Além de não ser um objeto, o mar não é sempre azul, apesar de ser tradicionalmente representado assim

Davidoff dedica-se à neuropsicologia cognitiva e a investigar a forma como reconhecemos objetos, cores e nomes. Ele fez experimentos com uma tribo da Namíbia, na África, cuja linguagem não tem uma palavra para o azul, mas possui várias para diferentes tipos de verde.

Quando mostrou a integrantes da tribo 11 quadrados verdes e um azul, não puderam achar qual era diferente, mas, se em vez de azul, o quadrado fosse de um tom de verde levemente diferente e dificilmente notado pela maioria das pessoas, era destacado imediatamente.

Na verdade, poucas coisas na natureza são azuis: uma ou outra flor de orquídea, as asas de algumas borboleta, as plumas de certas aves, a safira e a pedra luz.

No entanto, Homero estava na Grécia, um lugar que para muitos é marcado pelo azul do céu e do mar. Como podiam ignorar essa cor?

Em seus estudos, Deutscher recorreu à filha, Alma, que estava aprendendo a falar na época. Como qualquer outro pai, ele brincava com ela e a ensinava o nome de diferentes cores.

Teve, então, uma ideia para verificar o quão natural é o azul na linguagem e entender como as civilizações antigas, especialmente as que viviam no Mar Mediterrâneo, não deram um nome para a cor do céu.

Ele ensinou a Alma todas as cores, inclusive azul, mas fez com que ninguém lhe dissesse de que cor era o céu. “Quando tive certeza de que sabia usar a palavra ‘azul’ para os objetos, sai com elas em dias de céu azul e perguntei qual era sua cor.”

Por muito tempo, Alma não respondeu. “Ela respondia imediatamente a tudo mais, mas, com o céu, olhava e parecia não entender do que eu estava falando”, conta Deutscher.

“Certa vez, quando já estava muito segura e confortável com todas as cores, ela me respondeu, dizendo primeiro ‘branco’. Foi só depois de muito tempo e após ver cartões-postais em que o céu aparecia azul que usou essa cor para descrevê-lo.”

160218191015_azul_alba_624x351_thinkstock_nocredit

Para a filha do pesquisador, o céu era branco

 

Necessidade

Foi assim que sua filha ensinou a ele que nada é tão óbvio quanto pensamos. “Entendi com meu coração, observando uma pessoa, não lendo livros ou pensando em povos de um passado remoto”, afirma o pesquisador.

“E Alma nem sequer estava na mesma situação dos povos antigos: ela conhecia a palavra azul e, no entanto, não a usou para o céu. Compreendi que não é uma necessidade de primeira ordem dar um nome para a cor do céu. Não se trata de um objeto.”

O mesmo ocorre com o mar: assim como o céu, não tem sempre a mesma cor e, acima de tudo, não é um objeto, por isso não há motivo para “pintá-lo” com uma palavra.

“Nada mudou em nossa visão. Há séculos, somos capazes de ver diferentes tons, mas não temos as mesmas necessidades”, afirma o especialista. “Era perfeitamente normal dizer que o mar era preto, porque, quando está azul escuro, parece preto, e isso é suficiente nesta época. Uma sociedade funciona bem com o preto, o branco e um pouco de vermelho.”

Então, por que começamos a dizer que determinadas coisas são azuis?

“Conforme as sociedades avançam tecnologicamente, mais se desenvolve a gama de nomes para cores. Com uma maior capacidade de manipulá-las e com a disponibilidade de novos pigmentos, surge a necessidade de uma terminologia mais refinada”, afirma Deutscher.

“A cor azul é a última, porque, além de não ser encontrada tão comumente na natureza, levou muito tempo para fazer este pigmento.”

Egípcios tinham um termo para a cor azul por conta da sofisticação tecnológica de sua sociedade

Egípcios tinham um termo para a cor azul por conta da sofisticação tecnológica de sua sociedade

Os egípcios antigos tinham o pigmento azul e uma palavra para nomeá-lo, por exemplo, pois se tratava de uma “sociedade sofisticada”.

“O que importa não é tanto a época em que viveram, mas seu nível de progresso tecnológico. É aí que está a correlação com o volume do vocabulário para cores.”

Mas não há no hebraico bíblico a palavra “kajol”, que significa azul?

“Sim, mas essa palavra significava ‘preto’. Tem a mesma raiz da palavra álcool, e o ‘kohol’ era um cosmético em pó feito com antimônio que as mulheres usavam para pintar os olhos e era preto.”

Pouco a pouco, o termo foi mudando até assumir o significado que tem hoje no hebraico moderno. E este não é único caso, segundo o especialista.

“O mesmo aconteceu com a palavra ‘kuanos’ em grego. Homero a usa, mas significa preto ou escuro. Foi só depois que passou a significar ‘azul’.”

 

Via BBC Brasil

Anúncios
Etiquetado ,

Documentários sobre gênios da pintura para assistir de graça no Youtube

salvador-dalí

O Catraca Livre publicou uma lista de 50 documentários para os apaixonados pela história da arte. Dá o play!

 

Via Ideafixa

Etiquetado , , , , , , , ,

Life in a Day

Recentemente eu assisti a um filme chamado “The Giver” por indicação de um amigo. Do ponto de vista cinematográfico não é um grande filme. A história é simples, o enredo lento e não há grandes efeitos especiais nele, mas ainda assim se tornou um dos meu filmes favoritos. The Giver mostra fortes emoções comuns. Lembra qual é a base da vida, que somos apenas mais um bichinho na natureza.

Todo esse papo de Guru da montanha é para dizer que as cenas que mostram a vida como ela é (ou como deveria ser), me lembraram um projeto muito legal que se tornou filme em 2010 e muita gente não deve conhecer.

Nesse ano o Youtube mostrou um vídeo, filme, documentário, chame como quiser, que retrata a vida comum. Milhares de pessoas ao redor do mundo registraram em vídeo o seu dia em 24 de Julho de 2010 e subiram no Youtube para fazer parte do “Life in a Day“, “Vida em um Dia” em português. Um filme que mostra um único dia na Terra. Um registro histórico.

Dirigido pelo vencedor do Oscar Kevin Macdonald, Life in a Day conquistou o público nos festivais de Sundance, Berlim e SXSW, durante a sua estreia mundial no YouTube em janeiro.

Curioso? Então assiste aí. Lembre-se de ajustar as legendas.

Etiquetado , , , , , , , , ,

25 Arquiteturas Antigas Convivendo Com a Moderna em Perfeita Harmonia

Em todo o mundo, a arquitetura construída centenas de anos atrás está cada vez mais sendo deixada de lado por arranha-céus modernos. Mas, como estas fotos mostram, eles podem coexistir.

 

1. A moderna Nextower parece gigantesca perto da Eschenheimer Turm, uma torre defensiva medieval, Frankfurt

0

Com 35 andares de altura, a Nextower, concluída em 2011, desafia tudo o que os engenheiros qualificados do século 14 que construíram a Eschenheimer Turm acreditavam ser possível. (Fonte: Epizentrum)

2. A antiga e a nova ponte da baia de São Francisco lado a lado

1

Com a inauguração da antiga ponte em 1936 e da nova em 2013, essas gêmeas são separardas por quase 80 anos. (Fonte: Frank Schulenburg)

3. Centro de Xangai, China

4. Igreja Sant Francesc, Espanha

3

Construída no século XVIII por padres franciscanos, esta Igreja incrível estava começando a cair em desuso até que o arquiteto David Closes interveio e acrescentou um toque moderno. (Fonte: David Closes)

5. Saigon Notre-Dame se mistura com edifícios modernos, Ho Chi Minh City, Vietnã

4

Construída pelos franceses em 1880, este pequeno pedaço de Paris é um dos poucos prédios históricos ainda de pé entre um movimentado centro da cidade. (Fonte: Mario Weigt, Anzenberger/Redux)

6. Banco de Londres na Inglaterra em meio a arranha-céus

5

Construído em 1734, o Banco da Inglaterra é um dos bancos mais antigos ainda funcionais no mundo. Ao seu redor, os arranha-céus surgiram. (Fonte: Reddit user)

7. Casa Branca, Ilha de Coll, Escócia

6

Esta casa da fazenda restaurada do século 18, projetada pela família Maclean-Bristol, é uma incrível mistura de passado e presente. (Fonte: WT Architecture)

8. Prédio de cristal do Royal Ontario Museum, Canadá

7

Este Museu de história natural e cultura mundial, construído em 1914, teve algumas reformas com o passar do tempo, incluindo uma construção de cristal adicionada em 2007.

9. Templo Wong Tai Sin, Hong Kong, China

8

Wong Tai Sin é um complexo de templos taoístas enorme no meio de Hong Kong. Construído em 1920, continua a ser um importante destino turístico, assim como a cidade moderna além de seus muros. (Fonte: Reddit user onemantwohands)

10. Igreja St Mary Axe permanece orgulhosa em frente do Gherkin (Pepino), Londres

9

The Gherkin, inaugurado em 2004, é cerca de 800 anos mais jovem do que a Igreja que está na frente dele. A quase 600 metros, ele também é muito mais alto. (Fonte: BaldBoris)

11. A Chicago Water Tower, construída em 1869, cercada por arranha-céus

10

Depois que foi inaugurada em 1869, esta torre foi usada para armazenar água para os bombeiros. Inovações modernas tornaram este fim obsoleto, mas esta magnífica torre ainda está orgulhosamente no meio de uma selva urbana movimentada. (Fonte: Didier B)

12. Aarhus, Dinamarca

11

Aarhus é a segunda maior cidade da Dinamarca. Sendo um importante porto desde a sua fundação, em 948, a cidade é sem dúvidas um jogo de mistura de arquitetura medieval e moderna. (Fonte: kaibuehler)

13. Milão, Itália

12

Colonizada pelos Celtas em 400 aC e conquistada pelos romanos 200 anos depois, Milão tem uma extensa história. Após a Segunda Guerra Mundial, as estruturas mais modernas começaram a aparecer entre a antiguidade de estátuas de igrejas.

14. Igreja da Trindade e a Torre Hancock, Boston, EUA

13

A Torre John Hancock, inaugurada em 1976, é o edifício mais alto de Boston. Sua vizinha, a Igreja da Trindade, abriu as suas portas 99 anos antes, em 1877. Agora, ela lança uma reflexão, que jamais poderiam sonhar, sobre aqueles que visitaram a igreja primeiro. (Fonte: Steven Shigeo Yamada)

15. Porto da cidade de Hamburgo, Alemanha

14

Hafenport foi um porto de comércio incrivelmente importante nos séculos 18 e 19, mas, com a chegada de navios de contêineres no século 20, não conseguiu competir e ficou desolado por décadas. Agora, a área está sendo reformado com modernos edifícios de escritórios. (Fonte: Foto por Silverback Photography)

16. Museu Igreja, Montreal, Canadá

15

Esta igreja em ruínas foi transformada por Provencher Roy em um museu magnificamente moderno e teatro. (Fonte: Provencher Roy + Associés Architectes)

17. A antiga Casa Estado, Boston

16

Construída em 1713, a antiga Casa Estado foi a sede do Tribunal Geral de Massachusetts até 1798. Em uma cena que lembra de “Up“, a cidade de Boston explodiu em torno dela, substituindo casas de dois andares por arranha-céus enquanto ela permaneceu intacta como um museu . (Fonte: Chensiyuan)

18. Nanjing, China

17

Nanjing é uma das únicas quatro antigas capitais da China. Fundada em 495 A.C., a cidade tem uma história mais longa do que a maioria dos países. Sob o Império Mongol, a cidade se tornou um centro para os têxteis e continua a ser uma casa de poder econômico até os dias atuais. (Fonte: Reddit user mthmchris)

19. 8 Spruce Street e o Edifício Woolworths, New York, EUA

18

As torres Woolworths e Beekman são exemplos perfeitos de quão longe arquitetura chegou. Inauguradas em 1913 e 2011, respectivamente, as duas estão separadas por quase 100 anos. (Fonte: Reddit user etravus)

20. Hong Kong, China

21. Castelo Swansea em frente ao segundo edifício mais alto da cidade, País de Gales

21

Criado por Henry de Beaumont em 1106, o castelo Swansea uma vez dominou a paisagem. Agora, ele é ofuscado pela torre British Telecoms, que é relativamente pequena, 13 andares de altura. (Fonte: Reddit user Sysiphuslove)

22. Varsóvia, Polônia

22

(Fonte: Anthony Argrylou)

23. Tóquio, Japão

24. Sede da União Nacional de Arquitetos, Romênia

24

Empilhada em cima desta casa típica europeia, construída na segunda metade do século XIX, é um arranha-céu moderno.

25. Brno, República Checa

 

Via: Distractify

Etiquetado , , , , , , , , ,

A vida de uma escrava no Século 18: Conheça o Jogo Thralled!

Via: GameHall

9368698_orig

Não é comum encontrar jogos que envolvem elementos históricos reais, então surpreenda-se com este, um jogo independente feito por um português tratando o Brasil do século 18, Thralled!

Como tudo começou ?

THRALLEDINDIEGAMECOVER

01thralled

Thralled nasceu como um projeto na faculdade em que o criador Miguel Oliveira, junto a uma equipe de estudantes apresentaram o jogo em um festival feito pela Universidade da Califórnia do Sul, mostrando e abordando um assunto muito delicado e forte: a Escravidão. Miguel sentia intensamente uma necessidade em falar sobre esse tema tão delicado tanto para os brasileiros quanto para os portugueses (que dirá para o  mundo), pois é um tipo de assunto que afeta  a humanidade. Sem contar que ele escolheu a área de games para tratar em seu projeto, uma área que infelizmente ainda sofre preconceito e não tendo muito respeito. O objetivo dele era estabelecer uma possibilidade de debate sobre o tema, como surgiu e todas as consequências que até hoje afetam a humanidade.

A arte do jogo é incrível e as animações muito interessantes. É uma qualidade muito superior a que se espera de um jogo independente.

Uma visão diferente nesse side-scroller

05thralled

Estamos acostumados a ver jogos com temáticas trabalhadas em áreas históricas focadas sempre em grandes destaques de povos na humanidade como os ingleses, os portugueses, franceses e etc. Os povos que sofreram arduamente na mão deles nunca possuem um certo destaque, uma certa visão ao ponto de vista de quem sofreu toda essa luta, essa opressão “na pele” do que é ser aprisionado por outro humano. Trabalhar esse ponto de vista, algo tão incomum a nós, é uma maneira de tentarmos compreender sobre a escravidão e a relação da personagem com toda a sua história ali apresentada.

Compreendendo um pouco a Escolha

03thralled

O Brasil foi escolhido por vários motivos, no qual podemos frisar sobre a abolição tardia e a quantidade exorbitante de escravos relatada. Miguel também frisa que a escravidão era pouco mencionada em sua terra natal.

A história Portuguesa sempre era vista com grandes conquistas, descobrimentos, “honras, sempre tratando a grandeza e seus grandes triunfos. Porém, não mencionavam toda a destruição, os estragos, os sofrimentos, as mortes causadas para se ter essas tão “preciosas” conquistas.

O que admira em Miguel , que pode ser compreendido através de suas entrevistas e seu projeto, é de uma certa responsabilidade que ele adquire e, de alguma forma, admitir os erros do passado causados por Portugal, seu país de origem, fazendo a todos que tiverem contato com seu jogo analisarem como essa parte horrível da nossa história afetou todo o futuro da humanidade.

Isaura, a escrava

04thrallerd

Isaura é a personagem principal que foi capturada na África e vendida como escrava no século 18, tempos do Brasil Colonial. A história começa a partir do momento em que ela consegue escapar das plantações em que era forçada a trabalhar, com o desejo de buscar o seu bebê. Seu fortíssimo laço materno e todas as marcas de sofrimento e dor vividos por Isaura, acabará envolvendo os jogadores de uma forma tão profunda com os aspectos emocionais tratados no jogoÉ nesse ponto que Miguel deseja criar um debate, um vínculo entre a personagem e o jogador, de modo que ele sinta o sofrimento e analise como até hoje os resquícios da escravidão e do que ocorreu são fortes e afetaram no futuro da humanidade.

02thralled

É uma conquista e tanto, um jogo independente que se arriscou em tratar de um assunto tão polêmico estar ganhando grandes proporções. A forma e a proposta que Thralled apresenta, nos faz se interessar e se deixar envolver pelo jogo o quanto antes, alimentando uma questão muito séria e normalmente ignorada pela sociedade. Conquistar a nossa conscientização em relação ao tema abordado, a forma como um português, com a história de todo o seu país sendo a maior nação escravocrata da História e ter a coragem em trabalhar em um ponto de vista tão sério no qual sua nação “nem menciona” é algo curioso, é de se admirar.

Thralled aparentemente já me conquistou e está provável que no segundo semestre de 2014 lance e é exclusivo para o Ouya (no qual acreditou e investiu no projeto português). E você, também está ansioso para se envolver nessa questão?

Confira o site do jogo aqui.

 

Etiquetado , , , , , , , , ,

Seriam as pinturas de Vermeer fotografias?

via IdeaFixa

vermeer

Há um certo tempo suspeita-se de que alguns dos velhos mestres podem ter tido contado com dispositivos ópticos, como a câmara lucida para ajudar com a escala e proporção em suas pinturas, levando a interpretações mais realistas de paisagens e retratos.

Tim Jenison, um inventor e especialista em computação gráfica, ficou obcecado com umdesses pintores: o mestre holandês Johannes Vermeer, que criou pinturas tão realistas que pareciam ter mais em comum com a fotografia do que a com a pintura. Poderia Vermeer ter criado um sistema para replicar cenas na frente dele usando lentes e espelhos?

Jenison embarcou em um experimento para recriar uma das mais famosas pinturas de Vermeer, “A lição de música.” O experimento é uma obsessão que iria consumir cinco anos de sua vida envolvendo a construção real de toda a sala vista na pintura e seus detalhes mais minuciosos.

Todo o esforço foi filmado e se transformou em um documentário intitulado Tim’s Vermeer, cujo trailer pode ser visto abaixo.

Etiquetado , , , , , ,
Anúncios